Sobre corpos incorruptos: explicação da natureza e veneração.

-Sobre a incorruptibilidade

Um Papa que tratou do assunto das canonizações e beatificações foi Bento XIV, no seu documento intitulado "De servorum Dei beatificatione et beatorum canonizatione" na parte "De Cadaverum Incorruptione", que tratou dos sinais de incorruptibilidade que denotam a Santidade.

Um corpo incorrupto costuma apresentar as seguintes características:


1. Odor doce, comumente chamado de “odor de santidade”.

2. Flexibilidade, a rigidez do corpo começa pouco tempo depois da morte, por isso é sinal de incorruptibilidade um corpo flexível. Muitos incorruptos atualmente ainda estão flexíveis, outros demoraram anos para endurecer.

3. Sangue Fresco. O sangue no processo de morte endurece e portanto a observação de sangue fresco é índicio.

4.Outros fenômenos não comuns e milagrosos.



-O corpo de João XXIII está incorrupto ?

Para afastar a confusão que muitos fazem ao dizerem que o corpo do Papa João XXIII está incorrupto, trazemos os seguintes excertos de notícias dos próprios meios de comunicação de Roma e o médico contratado pela Santa Sé para conservar seu corpo.


“Foi o Prof. Gennaro que, Jona noite de 3 de junho de 1963, recebeu o encargo por parte da Santa Sé, de tratar do corpo do Pontífice falecido. Ele submeteu o corpo do Papa João XXIII a um tratamento à base de formalina, para preservá-lo de uma inevitável decomposição. Mas não se tratou de uma embalsamação.

O médico revelou que naquela noite, colocou em prática, no corpo do falecido Pontífice, um método de conservação estudado em Lausanne, Suíça, juntamente com o Prof. Winkler, uma autoridade nesse campo.”

O caixão do Papa João XXIII também é à prova de balas, e tem proteção contra raios ultravioletas, que podem danificar o corpo.

http://www.vaticanradio.org/portuguese/brasarchi/2001/RV22/01_22_58.htm
Philip Pullella, ROME, June 3 (Reuters)