Carta de Sua Santidade à "Sua Santidade". A falsa oposição entre Francisco a "Bento XVI" em sequência de atos e palavras

S. Pedro Apóstolo, rogai por nós! S. Pedro, primeiro e único Papa até a morte, rogai por nós! S. Pedro, instituído chefe único dos apóstolos por Nosso Senhor Jesus Cristo, rogai por nós!

Introdução


A sequência de atos abaixo compiladas mostram algo que poucos querem acreditar: tanto D. Ratzinger, quanto o atual Vigário de Cristo Francisco não são oposição um ao outro.

Imaginemos alguém com a seguinte terrível idéia: "destruirei a monarquia Papal através de falsas oposições vaticanas que impulsionadas por propaganda, mesmo de tradicionalistas, criará uma falsa oposição e falsa intriga, preparando a opinião pública para que de um grupo de Papas Eméritos saia um novo Papa, o qual já foi Papa anteriormente. 


Assim, uma vez aceito esse gesto inédito na história da Igreja, estará aberto o caminho para uma espécie de parlamento vaticano, constituído de Papas Eméritos. O sentido monárquico Papal estará abalado".

Essa idéia diabólica e terrível não podemos atribuir a ninguém, porque só Deus conhece as intenções, mas a leitura dos tópicos abaixo prova que ela não nos foi "revelada".



Renúncia: ato não feito há séculos, e nunca por um motivo de "forças"

É notório que o então Bento XVI disse estar sem forças, e outras razões de saúde para renunciar, algo inédito na História da Igreja. Muitos diziam que ele se retiraria para um lugar distante e recolhido e lá ficaria sem se misturar com seu sucessor, o que obviamente causaria confusão.

Entretanto, isso logo se mostrou falso, como veremos a seguir.


Continua fantasiado de Vigário de Cristo quando não o é, e muitas vezes aparecendo publicamente, algo inédito na história da Igreja

Abaixo vemos uma foto de um Papa e de um ex-Papa, poucos meses após a eleição de Francisco. No entanto, os dois estão vestidos de Vigário de Cristo, coisa que nunca ocorreu publicamente na história da Igreja quando um dos dois renunciou o Papado. Ambos sentam em uma mesma cadeira, como se o verdadeiro Papa não devesse sentar em uma cadeira mais alta e bela, de modo a exaltar a dignidade do Papado. Também a diferença de dignidade de cruzes peitorais é notável.

Essa confusão fez alguns pensarem que há dois Papas. O senso monárquico do Papado fica abalado.


Foto de sua visita a Alemanha. Sete anos depois (2020), D. Ratzinger ainda se fantasia de Papa, usando solideu branco, etc.


Ambos, Papa e ex-Papa, de branco, participam de inauguração de imagem, algo inédito na história da Igreja

Em Julho de 2013, pouco depois da renúncia do então ex-Papa Bento XVI, foi noticiado que o Papa Francisco inaugurou uma estátua de S. Miguel Arcanjo nos jardins do Vaticano junto a D. Ratzinger, segundo a foto acima de ambos em cadeiras iguais. Foi a segunda aparição pública dos dois após o novo pontificado, como noticiou o Rome Reports [1].

Caiu por terra o argumento de que o ex-Papa ficaria isolado para não dar espaço a confusão alguma.

A então inaugurada imagem de São Miguel: jeito frouxo e demasiadamente nu e musculoso


Mas se não bastasse tudo isso, a estátua de São Miguel é estranhamente musculosa, isto é, mais musculosa do que as estátuas do Arcanjo que mais comumente se encontra e pior, S. Miguel exibe uma nudez nunca antes vista, além de enfiar a lança no demônio de um jeito pouco másculo e nada "combativo".

Talvez por isso a lança de S. Miguel não acerte o inimigo, mas acerte o mundo sob o qual ambos estão esculpidos.

Passou a considerar-se, com o aval do Pontífice Reinante, como Papa emérito, algo inédito na história da Igreja

 
Antes não havia o título de Bispo Emérito, mas uma vez que a nova diretriz canônica obrigou todo bispo a se aposentador a partir de uma certa idade, muitos não acharam mal tal título, que também surgiu de modo inédito. Se antes soubessem que isso poderia ser usado para justificar um título de Papa emérito, o que traz enorme confusão, principalmente aos fiéis mais simples, muitos não teriam apoiado.

Entretanto, todos os veículos de comunicação do Vaticano, todas as altas autoridades eclesiásticas, e mesmo o Papa Francisco continuam a dizer que Dom Ratzinger é Papa emérito, causando confusão nos fiéis simples.

Por isso preferimos chamá-lo de ex-Papa, ou D. Ratzinger, pois uma vez bispo, nunca deixará de ser bispo. Preferimos chamar Sua Excelência, pois seu nome atualmente não consta na lista de Cardeais da Igreja.

Resta a dúvida se o próximo código de direito canônico obrigará também a renúncia do Sumo Pontífice a partir de certa idade. Afinal, em inúmeras ocasiões o atual Vigário de Cristo, Francisco, disse que fará o mesmo que seu predecessor.

Secretário do ex-Papa fala do ministério ativo e contemplativo, e não é repreendido

Também é extremamente estranho que D. Gaenswein, secretário do ex-Papa D. Ratzinger, escrevesse o seguinte em 2016, ao apresentar o livro de Fabrizio Grosso, que falaremos mais adiante:

“Desde a eleição de seu sucessor, Papa Francisco –  no dia 13 de março de 2013 -, não há, portanto, dois Papas, mas na verdade um ministério expandido com um membro ativo e um outro contemplativo. Por este motivo, Bento não renunciou nem ao seu nome e nem à sua batina branca. Por isso, o título próprio pelo qual devemos nos dirigir a ele ainda é “santidade”. Além disso, ele não se retirou para um mosteiro isolado, mas continua dentro do Vaticano, como se tivesse apenas se afastado de lado para dar espaço para seu sucessor e para uma nova etapa na história do Papado que ele, com esse passo, enriqueceu com a centralidade da oração e da compaixão feitas nos jardins do Vaticano” [2].

D. Gasnswein não foi repreendido pelo Sumo Pontífice. No máximo foi criticado por bispos que também acreditam que D. Ratzinger possui o título de Papa Emérito.


Papa Francisco se recusa a dar a bênção apostólica. Enquanto isso, ex-Papa D. Ratzinger dá a bênção apostólica em carta

No final de seu encontro com a juventude da Sicília em setembro de 2018, o Papa Francisco recusou-se a dar a bênção Apostólica para não ofender os "muitos a-católicos cristãos, aqueles de outras religiões e os agnósticos" [3].

D. Ratzinger, em uma carta de novembro de 2017, ao discutir as razões pelas quais renunciou ao Pontificado, dá ao Cardeal Brandmuller a sua "bênção apostólica". Ora, só o Papa Reinante pode dar a bênção apostólica. Isso reforça ainda mais a confusão feita pelo secretário de Sua Excelência D. Ratzinger [4].

Nessa carta, o ex-Papa cita como boa fonte o livro de Fabrizio Grasso, "La renuncia". Vejamos alguns trechos desse livro no próximo tópico.

Livro recomendado por D. Ratzinger sustenta que um possível futuro "clube de papas eméritos" pode dar origem a um proto-parlamento Vaticano


No livro recomendado por Sua Excelência, Grasso escreve que, por fim, o Papado, ao somar novos "Papas eméritos", pode acabar criando um clube papal, o qual será transformado em um parlamento.

“Nem mesmo a Revolução Francesa, a Tomada de Roma e o Concílio Vaticano II (que criou um racha ainda existente dentro da Igreja) foram capazes de desestabilizar a instituição política ocidental (...).

Afinal, Bento continua a viver no Vaticano, veste-se de branco e é referido com “Sua Santidade”, tornando a sua renúncia, segundo Grasso, “incomparável à de seus antecessores”.

“Só precisamos procurar, no mecanismo de busca mais popular [da internet], pela frase ‘Benedetto contro Francesco’ (…) para nos vermos imersos em mais de 500 mil resultados, e se tentarmos com ‘Benedict vs Francis’, haverá mais de 400 mil resultados. Portanto, só em italiano e em inglês há quase um milhão de links que interceptam este conflito diretamente”, escreve Grasso.

O autor admite que uma grande parte destes links pode ser considerada lixo, mas ele também aponta para o grande número de organizações noticiosas e blogs, católicos e seculares, que também promovem a justaposição entre os dois papas, normalmente trazendo uma preferência entre eles. Afinal, escreve Grasso, a renúncia por Bento não foi somente um evento histórico como também um evento midiático global, que, sem dúvida, influenciou a percepção geral (...).

“Até mesmo para aqueles com pouca imaginação, não é difícil imaginar um futuro próximo possível com mais de um papa emérito e, por consequência, um clube papal exclusivo, que bem poderia ser um protoparlamento do Estado do Vaticano
, acredita Grasso [5].

O Sumo Pontífice Francisco ajuda a desvalorizar o valor monárquico do Papado, chamando o ex-Papa D. Ratzinger de Sua Santidade

Em carta recente, o Papa Francisco dá catolicamente os pêsames a D. Ratzinger pelo falecimento de seu irmão. No começo, estranha pensar por qual razão uma carta sem muita relação com atividade Papal foi publicada no site do Vaticano. Entretanto, analisemos-na [6]:

- A carta de Sua Santidade o Papa Francisco chama o ex-Papa de Sua Santidade no destinatário e no meio da carta. Ora, Dom Razinger foi Bento XVI, mas não é mais o Papa, pois só há um Papa.

- A carta não dá a bênção Apostólica ao bispo D. Ratzinger, como se este não a necessitasse. 

Então, esse igualitarismo no trato social desvaloriza o sentido monárquico do Papado. A partir disso, muitos ficam confusos e acham que o Papado vive uma diarquia, e não mais uma monarquia.

Salmo em reparação (Salmo 6)

"Senhor, não me arguas no teu furor, nem me castigues na tua ira. Tem misericórdia de mim, Senhor, porque sou enfermo; sara-me, Senhor, porque meus ossos estremeceram. E a minha alma turbou-se em extremo, mas Tu, Senhor, até quando? Volta-te, Senhor, e livra a minha alma, e salva-me pela tua misericórdia.

Porque na morte não há quem se lembre de Ti, e na habitação dos mortos, quem Te louvará? Estou esgotado à força de tanto gemer, lavarei meu leito com lágrimas todas as noites, regarei com elas o lugar do meu descanso. 

Os meus olhos se turbaram por causa do furor, envelheci no meio de todos os meus inimigos. Apartai-vos de mim, todos os que praticais a iniquidade, porque o Senhor ouviu a voz do meu pranto.

O Senhor ouviu a minha súplica, o Senhor ouviu a minha oração. Sejam confundidos, e em extremo conturbados todos os meus inimigos, retirem-se e sejam num momento cobertos de vergonha".


Veja mais sobre a crise na Igreja:

Papa Francisco admite bispos comunistas indicados pelo Partido Comunista Chinês. Cardeal Zen chamou acordo de traição

Importância e simbolismo da Tríplice Tiara, deposta no Concílio Vaticano II por Paulo VI pela primeira vez

João Paulo II homenageia o herege blâsfemo Martinho Lutero nos quinhentos anos de seu nascimento

Bento XVI diz amar a Igreja cismática, lamenta as excomunhões do passado, e diz crescer na unidade ao rezar junto destes e outros hereges 

Bento XVI apoiou o uso de preservativo em certos casos  

Papa Francisco chamou a Rainha dos Céus de moça normal, uma "moça de hoje"

Clique para entender a crise na Igreja


-------------------
[1] Link: https://www.youtube.com/watch?v=VqX4jIQX-2c
[2] O site seguinte parece estranhar essa fala, mas elogia Bento XVI em detrimento de Francisco, confirmando uma outra tese de Grosso: https://fratresinunum.com/2016/05/23/declaracoes-explosivas-de-dom-georg-ganswein-existe-um-ministerio-expandido-e-bento-xvi-ainda-e-papa-como-e-possivel/
[3] Vídeo postado por um então sedevacantista: https://www.youtube.com/watch?v=nvA0m72Qtzw
[4] Link: https://www.ncregister.com/blog/edward-pentin/benedict-xvi-discusses-his-resignation-in-newly-published-letters
[5] Papa Emérito “multiplicou a autoridade” no papado, diz autor italiano, 17 Outubro 2017, http://www.ihu.unisinos.br/572723-papa-emerito-multiplicou-a-autoridade-no-papado-diz-autor-italiano
[6] Lettera del Santo Padre Francesco a Sua Santità Benedetto XVI Papa emerito, per la morte del fratello, Mons. Georg Ratzinger, 2 luglio 2020, Francesco. Link: http://www.vatican.va/content/francesco/it/letters/2020/documents/papa-francesco_20200702_lettera-benedettoxvi.html