Santos que foram chamados de loucos, magos, membros de seita

 Se o próprio Cristo Jesus, Senhor Nosso, não foi poupado pela perseguição da maledicência, a fortiori dela não consegue escapar quem procura amá-lO e servi-lO. "Christianus alter Christus" - O cristão é um outro Cristo.


-Da Escritura

Convém recordar que os próprios parentes do Divino Salvador chegaram ao extremo de considerar que Ele tinha perdido o juízo! No Evangelho de São Marcos lê-se: "E, voltando (Jesus e os Apóstolos) à casa, reuniu-se de novo a multidão, de modo que nem podiam tomar alimento. E os seus parentes, tendo disto conhecimento, vieram apoderar-se dEle, porque diziam que tinha perdido o juízo" (Mc. 3, 20-21).

Na segunda Epístola de São Paulo a Timóteo lê-se: "Tu, porém, tens seguido a minha doutrina, a minha maneira de viver, as intenções, a fé, a longanimidade, a caridade, a paciência, as (minhas) perseguições, sofrimentos, quais me aconteceram em Antioquia, Icônio e em Listra; perseguições que sofri, e de todas me livrou o Senhor. E todos os que querem viver piamente em Jesus Cristo padecerão perseguição. Mas os homens maus e sedutores irão de mal a pior, errando e induzindo outros a erro" (II Tim. 3, 10-13).


-Da Tradição dos Santos


Contra Santo Ambrósio (340-397), por causa das campanhas que fazia em prol da pureza, se desencadearam furiosos ataques dos inimigos da virgindade [1]

Amigos e parentes de três discípulos de Santo Inácio acusavam-no de perverter a juventude e exercer sobre ela uma influência que só podia ter origem na magia [2]


As ruas fervilhavam de rapazes e moças entregues ao vício, mas era com as pobres freiras do primeiro mosteiro fundado por Santa Teresa de Ávila (1515-1582) que a cidade se preocupava [3]


Acusaram São Filipe Néri (1515-1595) de fomentar uma seita e de criar conventículos cuja independência expunha à heresia [4]


Os ímpios tomavam São Luís Maria Grignion de Montfort (1673-1716) como diabólico, chamando-o de Anticristo; os mundanos consideravam-no extravagante, e os bons tinham-no como esquisito e fora do comum [5]


São Clemente Maria Hofbauer (1751-1820) chegou a ser tido em seu tempo, pelos inimigos do nome católico, como homem perigoso, cujo banimento era exigido pela tranqüilidade pública [6] 


São João Bosco (1815-1888) foi acusado por um ferrenho anti-clerical de ter escrito um livro (a vida de São Domingos Sávio) "cheio de fanatismo", que poderia transtornar o cérebro de seu filho [7]
.O mesmo santo sofreu oposições até da própria Hierarquia católica [8].



OUTROS ARTIGOS DE MÍSTICA

A Escritura diz que o rosto revela a personalidade. Fisiognomia e a Bíblia.


Necessidade da devoção ao Rosário, como rezar o Santo Rosário por Plinio Corrêa de Oliveira 

Como bem orar, ou do zelo pela oração por São Boaventura


------------------------------------------------------------------
Fontes
A TFP: uma vocação - TFP e famílias - TFP e famílias na crise espiritual e temporal do século XX", 1986.

[1] (cfr. Pe. Francisco de B. Vizmanos SJ, Las Vírgenes cristianas de la Iglesia primitiva, BAC, Madrid, 1949, pp. 202 a 204 / Imprimatur: Casimiro, Obispo aux. y vic. gen., Madrid, 12-1-1949).

[2] (cfr. J. M. S. Daurignac, Santo Inácio de Loiola, Livraria Apostolado da Imprensa, Porto, 1958, pp. 111, 112, 114, 116, 117, 135, 136, 145 a 149, 176, 177 / Pode imprimir-se: Mons. Pereira Lopes, Vigário Geral, Porto, 20-5-1958).

[3] (cfr. William Thomas Walsh, Santa Teresa de Avila, Espasa-Calpe, S.A., Madrid, 1960, 3ª ed., pp. 236 a 246).

[4] (cfr. Marcel Jouhandeau, Saint Philippe Neri, Plon, Paris, 1957, p. 139).

 
[5] (J. M. Texier, São Luís Maria Grignion de Montfort, Vozes, Petrópolis, 1948, pp. 44-45 / Com aprovação eclesiástica).

 [6] (São Pio X, Bula de canonização do Beato Clemente Maria Hofbauer de 20-5-1909, in Actes de Pie X, Bonne Presse, Paris, pp. 210-211).

 [7] (cfr. Biografía y escritos de San Juan Bosco, BAC, Madrid, 1955, p. 273 / Imprimatur: José María, Obispo Auxiliar y Vicario General, Madrid, 13-5-1955). 

[8] (Cfr. A. Auffray SDB, Dom Bosco, Livraria Editora Salesiana, São Paulo, 1955, Prefácio à 3ª ed. francesa, p. 6 / Imprimatur: Mons. M. Meirelles Freire, Vigário-Geral, São Paulo, 9-10-1946).