Bíblia, Papas, Santos e Teólogos sobre a luta histórica entre duas forças, sendo a Igreja a Direita. Refutando "direita e esquerda são ruins"

Faz algum tempo que é comum ouvirmos dizer que direita e esquerda são termos ruins, que não se deve usá-los, e que se deve apoiar uma "terceira via" ou algo do gênero. Usam também a frase de São Paulo "não faça nada por partidarismo" (Fl 2, 3) como se "direita e esquerda" fossem conceitos meramente partidários, de administração temporal e disputa passageira, e não de uma ideologia, de uma cosmo-visão metafísica, a qual, segundo mostramos nos textos a seguir, a da direita, bem entendida, é a da Igreja, e a da esquerda, a do Diabo. A Cidade de Deus e a Cidade do Demônio.

Pela análise filosófica simples é possível ver que os que recusam tal dualismo, por descontentamento com as encarnações contemporâneas de direita ou esquerda consideradas pelo povo e pela mídia, o fazem erroneamente. A falha de raciocínio é dupla: recusar os conceitos por causa de falsas atribuições, falsas-direitas, é o mesmo que recusar falar em família, ou recusar aceitar uma só definição de família porque a sociedade moderna diz que é família dois homens ou duas mulheres e um homem, etc. A luta do cristão é também por símbolos, é também contra a torre de babel que ainda se ergue nas nações. A outra falha vem da imediata queda em novo dualismo. Ao recusar "direita e esquerda" a pessoa se põe na chamada "terceira via", em um dualismo novo, então mais vale precisar a definição de direita, visto que subsiste a pergunta: quem garantirá que a terceira via também não é ou será pervertida ? No fundo, este é o trabalho da Revolução, desejosa que não sejamos donos da língua falada, donos dos símbolos conhecidos, para que sejamos nunca compreendidos, sempre exilados.

Se não escolhermos as definições dadas por Deus, de novo se repetirá a velha e trágica conversa: "A serpente disse à mulher: Vós de nenhum modo morrereis" Gn 3, 4. Antes morrer a acreditar nos conceitos que Satanás quer impor para escravizar o mundo.

Sagrada Escritura

"Quando pois vier o Filho do homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então se sentará sobre o trono da sua majestadade. Serão todas as gentes congregadas diante dele, o qual separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. Porá as ovelhas à sua direita e os cabritos à esquerda" Mt 25:31-33.

"Então, o rei dirá aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo," Mt 25:34


"Então dirá também aos que estiverem à esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, que foi preparado para o demônio e para os seus anjos" Mt 25:41.

"Todas as coisas se acham aos pares, e uma oposta à outra, e nada fez que fosse incompleto" Eclo 42, 25.

A destra na Escritura sempre foi a mais nobre:

"E disse ao pai: Não está assim bem, pai, visto que este é o primogênito, põe a tua direita sobre sua cabeça. Ele, porém, recusando, disse: Eu o sei, meu filho, eu o sei, este também será chefe de povos, e se multiplicará, mas seu irmão mais novo será maior do que ele, e a sua descendência se dilatará em nações" Gn 48, 18-19.

Leão XIII (1878-1903) citando Santo Agostinho (354-430)

"1. O Gênero Humano, após sua miserável queda de Deus, o Criador e Doador dos dons celestes, "pela inveja do demônio," separou-se em duas partes diferentes e opostas, das quais uma resolutamente luta pela verdade e virtude, e a outra por aquelas coisas que são contrárias à virtude e à verdade. Uma é o reino de Deus na terra, especificamente, a verdadeira Igreja de Jesus Cristo; e aqueles que desejam em seus corações estar unidos a ela, de modo a receber a salvação, devem necessariamente servir a Deus e Seu único Filho com toda a sua mente e com um desejo completo. A outra é o reino de Satanás, em cuja possessão e controle estão todos e quaisquer que sigam o exemplo fatal de seu líder e de nossos primeiros pais, aqueles que se recusam a obedecer à lei divina e eterna, e que têm muitos objetivos próprios em desprezo a Deus, e também muitos objetivos contra Deus.

2. Este reino dividido Sto. Agostinho penetrantemente discerniu e descreveu ao modo de duas cidades, contrárias em suas leis porque lutando por objetivos contrários; e com sutil brevidade ele expressou a causa eficiente de cada uma nessas palavras: "Dois amores formaram duas cidades: o amor de si mesmo, atingindo até o desprezo de Deus, uma cidade terrena; e o amor de Deus, atingindo até o desprezo de si mesmo, uma cidade celestial" [1]. Em cada período do tempo uma tem estado em conflito com a outra, com uma variedade e multiplicidade de armas e de batalhas, embora nem sempre com igual ardor e assalto" [2]

São Luís Maria Grignion de Montfort (1673-1716)

"2° - Os Dois Partidos

A) O partido de Jesus e do mundo

7. Eis aqui, meus caros Confrades, eis aqui dois partidos que se defrotam todos os dias; o de Jesus Cristo e o do mundo.

O de nosso amável Salvador está à direita, em aclive, num caminho estreito e que assim cada vez se tornou devido à corrupção do mundo.

Caminha à frente o bom Mestre, os pés descalços, a cabeça coroada de espinhos, o corpo todo ensanguentado, e carregando uma pesada Cruz. Apenas algumas pessoas, e das mais corajosas, o seguem, porque sua voz tão delicada não se ouve no meio do tumulto do mundo; ou então, não se tem coragem para seguí-lo em sua pobreza, suas dores, suas humilhações e suas outras cruzes, que necessáriamente é preciso carregar, a seu serviço, todos os dias da vida.

8. À esquerda está o partido do mundo, ou do demônio, que é o mais numeroso, o mais signífico e o mais brilhante, pelo menos na aparência. Todos os indivíduos mais brilhantes correm para ele; apressam-se, apesar de serem os caminhos largos, mais largos, do que nunca em virtude das multidões que por eles passam como torrentes, e de estarem juncados de flores, marginados de prazeres e divertimentos, cobertos de ouro e de prata" [3].

Santo Inácio de Loyola (1491-1556)

"136 - QUARTO DIA

MEDITAÇÃO DAS DUAS BANDEIRAS UMA DE CRISTO, CHEFE SUPREMO E SENHOR DE TODOS NÓS, A OUTRA DE LÚCIFER, INIMIGO MORTAL DE NOSSA NATUREZA HUMANA

A oração preparatória habitual.

137 - O 1º preâmbulo é recordar a história. Será aqui como Cristo chama e quer a todos os homens sob a sua bandeira. E Lúcifer, ao contrário, debaixo da sua.


138 - O 2º preâmbulo é a composição do lugar. Será aqui ver um grande campo em toda aquela região de Jerusalém, onde o supremo chefe dos bons é Cristo, nosso Senhor. Outro campo, na região de Babilônia, onde o caudilho dos inimigos é Lúcifer" [4].

Teólogos

Frei Reginald Garrigou-Lagrange (1877-1964), O.P., em entrevista para o jornal "O Legionário":

"Pessoalmente, sou um homem de direita, e não vejo porque o haveria de esconder. Creio que muitos daqueles que se servem da fórmula citada, fazem uso dela porque abandonam a direita para se inclinar à esquerda, e querendo evitar um excesso, caem no excesso contrário como aconteceu em França nos últimos anos. Creio, também, que é preciso não confundir a verdadeira direita com as falsas direitas, que defendem uma ordem falsa e não a verdadeira. 

Mas a direita verdadeira, que defende a ordem fundada sobre a justiça, parece ser um reflexo do que a Escritura chama a direita de Deus, quando diz que Cristo está sentado à direita do seu Pai e que os eleitos estarão à direita do Altíssimo" [5].

Clique para ver mais Doutrina Social da Igreja contra os erros sociais

-------------------------
[1] De civ. Dei, 14, 28 (PL 41, 436).
[2] Encíclica Humanum Genus, 20 de Abril de 1884.
[3] Carta aos Amigos da Cruz, Primeira Parte.
[4] Exercícios espirituais de Santo Inácio.
[5] O Legionário, n° 313 (11 de Setembro de 1938). Na ocasião o padre veio para a "Primeira Semana de Estudos Tomistas", no Rio de Janeiro. Em seguida viajou depois a São Paulo, onde visitou a equipe do Legionário e seu diretor Plinio Corrêa de Oliveira.