Como converter os outros, por São Francisco Xavier. Comentários de Plinio Corrêa de Oliveira

Editamos aqui alguns conselhos de São Francisco Xavier que podem ser aplicados em qualquer lugar ou época, por qualquer pessoa, embora ele tenha dado no meio destes conselhos gerais, conselhos sobre o proselitismo nas Índias com os pagãos. E muitos dos conselhos eram específicos ao padre missionário, por isso a nossa edição. Quem tiver interesse nesses conselhos, podem ler a carta do Apóstolo das Índias na íntegra disposta na fonte citada abaixo do artigo.

Dividimos em tópicos numerados, e colocamos juntos comentários de Plinio Corrêa de Oliveira que transpôs os conselhos para o âmbito tradicionalista e o trabalho da TFP com a opinião pública, em reunião do Santo do Dia, 15 de março de 1974, sexta-feira.

1 - O principal cuidado: a própria perfeição, isto é, a vida interior

Goa, 1549. 

A graça e o amor de Nosso Senhor Jesus Cristo sejam convosco. Amem. 

A minha ternura e dedicação para convosco não permitem que vos deixe partir para a importante missão de Ormuz, sem vos dar instruções que julgo de grande utilidade para glória de Deus, para a salvação das almas e para vosso progresso espiritual. 

O vosso principal cuidado deve ser o da vossa própria perfeição. Considerai, antes de tudo, o que deveis a Deus e à vossa consciência; é o mais seguro meio de colher abundantes frutos nas almas. 

2 - Trabalhos burocráticos não são preferíveis para quem se consagra à conversão das almas

Estareis, além disso, mais em liberdade para o exercício do vosso ministério, que deve ser todo consagrado à conversão das almas, porque a distribuição de esmolas rouba muito tempo, causando distrações e embaraços.

3 - Cautelas com as pessoas ditas amigas, não diga tudo como se fossem pessoas de inteira confiança

Trabalhai para com as pessoas que se disserem vossos amigos, ou para com aquelas com que tiverdes relações sociais, como se elas devessem vir a ser algum dia vossos inimigos. Deste modo não fareis nem direis nunca o que possa tornar-se contra vós num momento de cólera. Vêmo-nos obrigados a tomar estas precauções com a mocidade do século que, em geral, olha os filhos da luz com desconfiança e malignidade.

4 - Faça diariamente uma meditação, um exame particular

Não cuideis menos, de tudo que diga respeito ao vosso progresso espiritual. Tende por certo que fareis grandes progressos no desprezo de vós mesmo e na união corri Deus, se regulardes todas as vossas palavras e ações pela prudência.

O exame particular vos ajudará muito; não deixeis jamais de o fazer duas vezes por dia, ou pelo menos uma vez

5 - "Evitai de avançar proposições duvidosas", tomando só as verdades incontestáveis. Por mais que pareça por demais básico este conselho de proselitismo, podemos tomar estas "verdades incontestáveis" como as mais basilares e firmes para o fim do apostolado

A pregação é um bem geral; de todas as funções do ministério evangélico, é dela que se tira melhores frutos. Pregai, pois, o maior número de vezes que puderdes; mas evitai de avançar proposições duvidosas; não tomeis por assunto dos vossos sermões senão verdades incontestáveis, claras e que por si mesmas produzam a reforma dos costumes. 

6 - Cuidado em admoestar as pessoas públicas, mas também adicionamos, por causa do mesmo motivo (o orgulho, maior ainda hoje): cuidado ao admoestar as pessoas publicamente.

Não admoesteis nunca em público os magistrados e os principais funcionários, cujo procedimento vos pareça irregular e repreensível. Quando eles se confessarem convosco fazei-lhes as vossas observações no sigilo do tribunal da penitência e, em caso contrário, ide fazer-lhas em particular. Eles são de ordinário orgulhosos e susceptíveis: uma advertência pública, em vez de lhes ser útil, os irritaria e torná-los-ia furiosos, como o touro acossado e perseguido. 

7 - Jeito de observar e admoestar

Moderai sempre as vossas observações pela doçura da voz, benevolência do olhar, escolha de expressões, e que um sorriso amável acompanhe as vossas palavras; além disto, fazei ver que um sentimento de caridade é o que unicamente vos inspira. E se virdes que, não obstante estes protestos, haveis ferido as susceptibilidades, abraçai-os, estreitai-os entre os vossos braços e testemunhai-lhes o mais vivo interesse.

A repreensão é de si mesma desagradável e amarga; se for acompanhada de palavras duras e de aspecto severo, os homens habituados às adulações a rejeitarão e se tornarão contra o censor do seu procedimento. 

8 - Dê "preferência aos trabalhos cujo fruto se estende mais longe"

Depois dos trabalhos ordinários e indispensáveis para os vossos cristãos empregai todos os momentos que vos sobrarem na conversão dos infiéis. Dai sempre preferência aos trabalhos cujo fruto se estende mais longe

9 - Procure saber os vícios e virtudes daquele local e região

À vossa chegada a Ormuz procurai relações com os habitantes principais, dos quais tiverdes ouvido dizer bem, porque estes serão os melhores informadores dos costumes e das usos do país. Informai-vos ao depois, por eles, dos vícios dominantes e das fraudes mais geralmente praticadas no comércio, a fim de vos: preparar para esclarecer as consciências, quer seja no tribunal da penitência, quer seja nas relações exteriores. 

10 - Apresetanção externa

Conservai, em todas as ocasiões de crises, o rosto sereno, a fisionomia alegre, o olhar terno e benevolente o humor agradável. Nunca mostreis tristeza nem impaciência; distinguireis aqueles que se mostrarem dispostos a abrir-vos o seu coração. Falai sempre com doçura, sede sempre amável, mesmo quando tiverdes de repreender alguém. A vossa caridade deve dar a conhecer que a falta vos é desagradável, mas não a pessoa que a cometeu. 

11 - Jeito de emendar as pessoas na hora dos conselhos de virtude

Poreis em prática, proporcionalmente, a mesma indústria para com os pecadores que se não decidirem a fugir das ocasiões do pecado, nem a restituírem o alheio. Quando tiverdes conseguido ganhar a sua confiança, aconselhai-os a que digam a si próprios o que diriam aos seus amigos em iguais circunstâncias, desenvolvendo todas as razões que possam apoiar a condenação da sua dilação ou resistência.

12 - Conheça bem o estado do interlocutor antes de tratar de questões doutrinárias

Antes de tratar da grande questão da salvação, assegurai-vos da disposição de espírito daquele que quiserdes salvar. Buscai descobrir se ele está tranqüilo ou agitado por alguma paixão violenta; se se deixa perder voluntariamente, ou se tem forças para reconhecer a verdade quando se lhe apresenta; se é arrastado para o mal pela violência da tentação ou pela sua má índole; se é dócil, de modo que se possa esperar que aproveitará dum bom conselho, ou se é de humor difícil e pouco tratável.

Tudo isto deve ser examinado, a fim de falar a cada um segundo a disposição que tiverdes notado nele. 

Usai da maior prudência com os corações duros e difíceis; mas não iludais nunca o doente; não lhe digais jamais nada que possa fazer perder a virtude do remédio ou impedir o seu efeito.

13 - Além de procurar saber os vícios e virtudes daquele local e região, queira saber tudo que diz respeito à vida civil: "as inclinações do povo, os costumes do país, a forma do governo, as opiniões".

Em qualquer lugar que estejais, embora de passagem, procurai saber, pelos habitantes mais honrados e considerados, não somente quais são os crimes que se cometem mais de ordinário na cidade, e as fraudes mais usadas no comércio, como vos recomendei para Ormuz, mas também as inclinações do povo, os costumes do país, a forma do governo, as opiniões e tudo, finalmente, que diz respeito à vida civil.

Crede-me, o conhecimento destas coisas é da maior importância e utilidade para o missionário, a fim de dar remédio pronto às doenças espirituais, e achar-se sempre preparado para fazer bem a todos aqueles que se lhe apresentarem. Adquirido este conhecimento, nada vos surpreenderá, nada vos causará admiração; manejareis mais facilmente os corações, tereis mais autoridade sobre eles sabereis sobre que pontos vos deveis basear na pregação e o que deveis recomendar com mais instância na confissão.

Desprezam-se muitas vezes os avisos e conselhos dos religiosos, sob pretexto de que eles desconhecem o mundo e lhes falta experiência dele; mas quando se encontra um que sabe viver e que tem inteira experiência das coisas humanas, admiram-no como a homem extraordinário, abandonam-se a ele, violentam-se voluntariamente sob a sua direção; os seus conselhos por mais espinhosos, são executados. Tal é o fruto maravilhoso da ciência do mundo.

Deveis, pois, trabalhar para adquirir este conhecimento com tanto zelo como empregastes noutro tempo para aprender a ciência dos filósofos e dos teólogos.

Não é somente nos manuscritos e nos livros impressos que se adquire aquela ciência; é nas relações com as pessoas de caráter firme e inteligentes. Com esta ciência colhereis mais fruto do que com todos os raciocínios dos doutores e todas as subtilezas das escolas. 

Dr.Plinio: "a TFP deita muita importância nos estudos de opinião pública e considera esses estudos um elemento de alta, de grande alcance para o acerto de sua atuação. A esse respeito se poderia fazer uma objeção que é a seguinte:

“Afinal de contas, os elementos da TFP deitam essa importância. Isto aí é falta de espírito sobrenatural. Tivesse alguém verdadeiro espírito sobrenatural, ponha em qualquer lugar um padre bem santo, distribuindo os sacramentos, pregando, ensinando; ou, se quiser, um apóstolo leigo bem santo, trabalhando e fazendo apostolado em qualquer lugar, o sobrenatural  chove em torno dele e ele conquista todas as almas com toda a facilidade. Esse conhecimento, portanto, de doutrina, de sociologia, conhecimento de técnicas de apostolado, conhecimento de opinião pública, para um espírito verdadeiramente sobrenatural  não adianta, são apenas os espíritos naturalistas que pensam assim”.

Qual é a resposta da TFP a uma pergunta dessas – que seria uma objeção eminentemente "heresia branca" – qual a resposta que a TFP teria que dar?

Evidentemente não se nega que, em princípio, aonde está um santo pode haver uma grande fecundidade apostólica. Mas isto não quer dizer que a Igreja não deva ir dotando ao longo dos séculos, os seus santos e os seus apóstolos - eclesiásticos ou leigos - de meios cada vez mais ricos para penetrarem no interior das almas. A objeção que assim se faz poderia fazer-se também contra São Tomás de Aquênio. Dizer que toda a Suma Teológica com toda aquela filosofia, com toda aquela teologia era uma coisa supérflua. Bastava por um santo bem santo em algum lugar sem saber tanta filosofia que cairiam as graças em torno dele e ele santificaria muitas almas.

O que era verdade em grande parte e continua a ser verdade em grande parte, antes durante e depois de São Tomás. Mas é claro que a Igreja podendo facilitar a difusão da graça, derrubar obstáculos à difusão da graça, por meio de um conhecimento cada vez mais aprofundado de sua doutrina e de seus métodos de ação, Ela deve fazê-lo porque está na economia da Providência que a graça encontre obstáculos naturais; e está na economia da Providência que esses obstáculos removidos facilitam a ação da graça.

Mais ainda. A mesma graça que fecunda a ação  de um padre que não é grande sociólogo, grande manipulador de opinião pública, um leigo, pode secundar também o que o é. Então tem duas vantagens, ele sabe manipular e de outro lado a graça o ajuda (...)

Então, notem bem a frase: “o conhecimento destas coisas é da maior importância e utilidade para o missionário”. Por que não há de ser para o apóstolo leigo do século XX?

“...a fim de dar remédio pronto às doenças espirituais”. Quer dizer, quem quer dar remédio pronto às doenças espirituais usa com muita vantagem desses  conhecimentos de opinião pública, etc.

“...e achar-se sempre preparado para fazer bem a todos aqueles que se lhe apresentarem. Adquirido este conhecimento, nada vos surpreenderá, nada vos causará admiração; manejareis mais facilmente os corações”.

É bem a definição de um ativista: “manejareis mais facilmente os corações”.

“Tereis mais autoridade sobre eles...”

Quer dizer, mais influência.

“...sabereis sobre que pontos deveis basear vossa argumentação e o que deveis recomendar com mais instância na confissão”.

Quer dizer, é só transpor para as condições do apóstolo leigo, é tal e qual! Que melhores conselhos dar, que melhores coisas dizer, é por um conhecimento da opinião pública, o conhecimento dos costumes do lugar. É isto que leva a alma a ter um apostolado fecundo.

Então, notem bem a frase: “o conhecimento destas coisas é da maior importância e utilidade para o missionário”. Por que não há de ser para o apóstolo leigo do século XX?

“...a fim de dar remédio pronto às doenças espirituais”. Quer dizer, quem quer dar remédio pronto às doenças espirituais usa com muita vantagem desses  conhecimentos de opinião pública, etc.

“...e achar-se sempre preparado para fazer bem a todos aqueles que se lhe apresentarem. Adquirido este conhecimento, nada vos surpreenderá, nada vos causará admiração; manejareis mais facilmente os corações”.

É bem a definição de um ativista: “manejareis mais facilmente os corações”.

“Tereis mais autoridade sobre eles...”

Quer dizer, mais influência.

“...sabereis sobre que pontos deveis basear vossa argumentação e o que deveis recomendar com mais instância na confissão”.

Quer dizer, é só transpor para as condições do apóstolo leigo, é tal e qual! Que melhores conselhos dar, que melhores coisas dizer, é por um conhecimento da opinião pública, o conhecimento dos costumes do lugar. É isto que leva a alma a ter um apostolado fecundo

“...o fruto maravilhoso do conhecimento do mundo”. Quer dizer, um que ignore tudo de tudo, os conselhos não são seguidos. Quando vê que esses conselhos são dados por alguém que está com a “mão na massa”, os conselhos tem outra autoridade, outra influência, é evidente!

Quão bem anda a TFP, portanto, recomendando que seus apóstolos procurem conhecer bem essas coisas".

14 - Não espere chegar no local para o apostolado, comece já antes, indo para lá, ou pela internet, etc.

Não espereis chegar a Ormuz para pregardes; começai no mar, logo que embarcardes.

15 - Não cite muitos autores antigos, cite pouco e convenientemente. "Interessai-vos, sobretudo, em pintar ao vivo o estado das almas abandonadas ao mundo e ao pecado"

Não vos esmereis em provar a vossa erudição ou memória, citando muitos textos de autores antigos; citai pouco e escolhei convenientemente as citações. Interessai-vos, sobretudo, em pintar ao vivo o estado das almas abandonadas ao mundo e ao pecado, de modo que elas possam ver reproduzidas nos vossos sermões, como num espelho, as suas inquietações, seus artifícios seus projetos frívolos e suas vãs esperanças. Mostrai-lhes o abismo que assim cavam, descobri-lhes as armadilhas que lhes são tecidas pelo espírito do mal; ensinai-lhes os meios de as evitar, acrescentando que têm tudo a perder se se deixarem prender por elas.

16 - Fale conforme o interesse do auditório

Por este modo cativareis a atenção, por que é sempre escutado quem fala interessando o auditório.

Dr.Plinio: "Quer dizer, o verdadeiro militante deve falar ao homem de seu tempo de maneira que o homem de seu tempo se sinta denunciado, sinta entendido, visto e denunciado. É um verdadeiro tratadinho de como fazer apostolado individual, de como tratar com a opinião pública. Não conheço trecho melhor do que esse nessa matéria".

17 - "Evitai os assuntos elevados, as questões complicadas e controvertidas"

Evitai os assuntos elevados, as questões complicadas e controvertidas, porque achando-se elas além do alcance do vulgo, não produzem senão um abalo sem resultado na restauração das consciências.

18 - Observe os ouvintes de modo que as palavras empregadas tenham em conta isto

Atraireis vossos ouvintes representando-os a eles próprios; mas para isto é necessário tê-los observado e aprofundado; é necessário conhecê-los bem. Estudai, pois, aqueles livros vivos, e neles achareis os meios de vos tornar senhor dos corações e poder dirigi-los, em seguida, para o caminho que devem trilhar.

Não vos proíbo que consulteis a Sagrada Escritura, os Padres da Igreja, os sagrados cânones, os livros de piedade, os tratados de moral Deus me livre disso! Eles vos fornecerão provas sólidas para estabelecer as verdades cristãs, remédios soberanos contra as tentações, exemplos heróicos de todas as virtudes. Mas tudo isto é frio para os espíritos pouco dispostos a recebê-los, e não se consegue convenientemente senão pelo sistema que vos indiquei, de conhecer o homem por um profundo estudo dele próprio, pintá-lo fielmente e colocar o quadro em tal luz, que cada um possa nele reconhecer-se. 

Dr.Plinio: "Aí os senhores tem como a tradição católica corrobora sempre a orientação da TFP. Para mim foi uma surpresa quando esse eremita do São Bento me deu esse trecho. Eu estava à espera de uma ocasião para apresentá-lo aqui aos senhores. Sirva ele de ânimo aos senhores e de firmeza nas atitudes que tomaram e na compreensão de que a TFP fazendo tanto cabedal que os senhores conheçam a opinião pública, diagnostiquem, exemplifiquem, a TFP segue a trilha de um dos maiores missionários de todos os tempos, o grande São Francisco Xavier". 

19 - "Nos negócios particulares, a experiência vos ensinará o que for mais útil para a glória de Deus"

Nos negócios particulares, a experiência vos ensinará o que for mais útil para a glória de Deus; porque, havendo prudência, a prática e o uso são os melhores mestres.

Lembrai-vos de mim nas vossas orações e nos vossos santos sacrifícios, e recomendai aos que dirigirdes que orem por mim ao Senhor que servimos.

20 - "Lede estas instruções todas as semanas, a fim de as não esquecerdes"

Lede estas instruções todas as semanas, a fim de as não esquecerdes.

Praza ao Senhor conduzir-vos, guardar-vos na vossa viagem, e que esteja, em tudo, sempre conosco!

Francisco. 

Clique aqui para ver mais Leituras Místicas
---------------------
Fonte: J.M.S. Daurignac, S.Francisco Xavier, o Apóstolo das Índias, Volta para a península do Aquém do Gânges, Janeiro 1548 - Maio 1549, V - Conselhos e lembranças, Instruções de S.Francisco Xavier ao Padre Gaspar Barzeu na sua partida para a missão de Ormuz. Link: http://www.salverainha.com.br/downloads/Sao_Francisco_Xavier.pdf