Hipótese Teológica sobre qual será a indumentária do Papa Santo

Para entender tais raciocínios convém ler primeiro os artigos da seção que trata dos temas que aqui podem parecer obscuros:

CLIQUE: Profecias Católicas

Hipótese Teológica sobre qual será a indumentária do Papa Santo


Estas hipóteses são firmadas no que chamamos "princípio de beleza". A hipótese é feita por aproximação de uma situação imaginada de extrema beleza, contendo o máximo de aspectos belos e semelhantes aos aspectos que dispõem a Sagrada Escritura. Essa hipótese é o mais próximo possível que a mente do teólogo pode chegar (com a graça de Deus dada no momento), e portanto ela em si é limitada e não necessariamente verdadeira. De teses desta mesma hipótese é possível fazer raciocínios. Estes raciocínios são baseados muitas vezes em questões de doutrina e por isso só uma pessoa imbuída da doutrina tradicional católica poderá ser bem-sucedida nestes casos.

Tais hipóteses teológicas foram, até onde o autor destas palavras pode rastrear, primeiramente postas em prática pelo prof.Plinio Corrêa de Oliveira nas inúmeras palestras que deu em vida, as quais temos excertos desse pensamento na obra "Inocência Primeva e a Contemplação Sacral do Universo", na parte em que Dr.Plinio fala do exercício de transcendência.


As teses abaixo foram provadas nesse artigo
http://www.oprincipedoscruzados.com.br/2014/07/hipotese-teologica-sobre-mudanca-na.html


Teses:

-As eras da Igreja são as eras já tratadas antes
-Os começos ou os fins das eras em maioria foram acompanhadas por uma mudança nas vestes dos Papas
- O decaimento no uso das vestes Papais no pós-concílio clama ou por resgate ou por mudança


-A vinda do Papa Santo é o marco do início da sexta era: isso precisa estar explícito nos símbolos também

No caso das vestes habituais, a conveniência de uma mudança é apoiada pelos motivos:
-O uso das vestes papais pelos Papas que renunciaram causa confusão, essa confusão igualitária seria belamente resolvida com a mudança das vestes papais.
-Transformaria a roupa antiga em um símbolo da Igreja antiga, que com o Papa Santo tomaria novo rumo.
-Se os papas que renunciaram passassem a usar a roupa nova, seria uma afronta ao Papa Santo e um claro indício de que eles queriam mesmo o igualitarismo.


No caso das vestes litúrgicas, a conveniência do uso tradicional é apoiada pelos motivos:
-Em relação a liturgia, o Papa Santo viria para resgatar.

1.A nova roupa não poderia ser simplesmente diferente, ela teria que ser um símbolo do que o novo Papa, representante da nova direção da Igreja, representa. Se ele representa uma Idade profética, assim será o simbolismo da roupa.

1.1.Um roupa profética é a da Ordem Carmelita. Nesse sentido dois aparatos destacam-se no hábito carmelita: o escapulário e a capa.

-O escapulário, além de trazer benefícios espirituais, é um sinal de predileção de Nossa Senhora pela ordem, que iria durar até o fim dos tempos, por isso Nossa Senhora designou uma parte do hábito da Ordem, porque ela queria deixar uma marca na Ordem, uma marca dela. O rosário é uma devoção entregue pela Santíssima Virgem, mas não é uma marca específica de uma ordem, é uma devoção, embora extremamente recomendada. No uso do escapulário os decretos da Santa Igreja já definem que os bens espirituais só serão alcançados mediante certas devoções do sujeito que usa, como a prática da castidade e a recitação diária do pequeno ofício da Virgem ou do Rosário. Aqui há a mesma analogia com o batismo: é um sacramento que a pessoa pode corresponder à graça, mas ele não deixa de imprimir caráter definitivo na pessoa. O escapulário de modo análogo, é o caráter definitivo impresso por Nossa Senhora na Ordem Carmelita, tendo seus benefícios espirituais dependentes do usuário. Esse sinal profético da Mãe de Deus a Igreja sabiamente estendeu aos fiéis fora da Ordem, tanto pelos benefícios espirituais singulares, tanto porque a missão profética se estende aos membros da Igreja num todo, basta que eles sejam piedosos, e no caso estejam consagrados à Virgem do Carmelo, esta é a essência da parte profética da Ordem Carmelitana. Se o uso do escapulário fosse um sacramento, o escapulário em si seria a matéria, e as devoções relacionadas seriam a forma. Mas ainda faltaria o poder de administrar e receber este "sacramento" que vem da jurisdição: o primeiro basta um Padre não cismático que já pode fazer a imposição, o segundo a própria Igreja já concede aos fiéis, como ressaltamos.

Beato Palau com a capa do carmelo e escapulário
-
Elias tinha a capa, a qual pôs sobre Eliseu, para fazê-lo profeta (1 Reis 19, 19), e essa capa é a capa carmelita, elo de indumentária entre o Papa Santo e Elias do Carmelo. Alguns poderiam argumentar que João Batista, apesar de ser de linha sacerdotal e poder vestir roupas dignas e luxuosas, se vestia com pele de Camelo e cinto de couro e assim deveria ser a roupa do Papa Santo, ou esta deveria ser uma roupa futura da Ordem Carmelita, algo do gênero. Mas ele se vestia desta maneira para mostrar a hipocrisia dos religiosos da época. O Camelo é um animal hostil, e o cinto era usado para atar os bois. Assim, sendo de linha sacerdotal e colocando essas roupas, São João Batista designava as características dos sacerdotes da época: hostis e opressores. João Batista também usava esta roupa porque Elias a usava (2 Reis 1), e ficou sendo depois a roupa comum de todos os profetas (Zac 13). Nosso Senhor próprio admite que João Batista era Elias (Mt 11), pela missão que antecedia a vinda do Messias, a qual está reservado Elias no fim (Mal 3 e Eccli 48). Mesmo admitindo que o Papa Santo será carmelita, não podemos dizer que ele usará cinto de couro e roupa de camelo, pois essas eram a roupa de prefigura para São João Batista usadas primeiramente por Elias. Outra razão é que o sumo sacerdote da época não se vestia daquela maneira, e nisso queremos dizer não só Caifás, como o próprio Cristo conforme mostramos antes em artigo sobre o tema. Por esse raciocínio, podemos dizer que o Papa não poderá usar roupa que não indique a dignidade de seu ofício, e assim não usará a roupa de São João Batista, exceto a capa, que é profética e faz tão parte do Carmelo que até os membros terceiros precisam usá-la.

1.2.Outra roupa profética é a própria roupa de Nossa Senhora de Fátima. Se ela é a mais profética das aparições, o simbolismo deverá ser profético também.


-A brancura da roupa indica a pureza que Maria Santíssima espera do mundo, aviso tão bem dado nessa época de luxúria. A imagem de Fátima entra na categoria das imagens em que o véu forma também uma capa. Outras imagens de aparições proféticas da Mãe de Deus que usam capa são a de Nossa Senhora do Bom Sucesso e a do Carmo. Esta última inclusive aparece aos videntes na sequência dos acontecimentos em Fátima. Isso leva a concluir a capa como símbolo profético que deverá ser usada pelo Papa Santo. Incluimos também os detalhes dourados na ponta da capa que existe na imagem, porque esse completaria o sentido da capa de um modo ainda mais belo.

-A terceira parte do segredo ainda fala de "um bispo vestido de branco. Tivemos a impressão que era o Santo Padre" o qual já sustentamos ser o Papa Santo. Então é óbvio que a roupa do Papa continuará a ser branca em geral. O "pressentimento" do qual fala o segredo parece mais a concepção dada nessa hipótese, porque a roupa do Santo Padre só causaria um pressentimento e não uma certeza se ela fosse um pouco diferente da habitual.

1.3.A terceira veste com tal simbolismo é a capa e o hábito elaborados por Plinio Corrêa de Oliveira para uso dos membros da TFP. É profético não só por conter elementos proféticos em si, mas por ser a indumentária de um Grupo de terceiros Carmelitas, porque o fundador e inspirador Dr.Plinio via essa relação com o filão Eliático algo importante na missão do Grupo, só que para ele "a posse do escapulário ou o seu uso, e o simples ato de profissão na Ordem Terceira do Carmo, não constituem toda a essência de nossa vinculação a Nossa Senhora, e nada seriam se não fosse nossa consagração especial e interior à Virgem do Carmo. Este, sim, é o elemento básico de nossa condição de terceiros carmelitas". [1] O Escapulário, a Profissão e a Consagração Interior, 15 de novembro de 1958, publicado no"Mensageiro do Carmelo", Ano XLVII – Edição especial – 1959 [1] Outro motivo é a esperança na qual se insere o Grupo: a vinda do Reino de Maria, o qual o Papa Santo é prefigura de um membro exemplar, principalmente como Papa. Também no Grupo as profecias foram bem conhecidas e apoiadas pelos membros. Esses fatos não bastariam se não fosse o Grupo adepto da Doutrina Tradicional da Igreja, alheios à pastoral progressista reinante desde mais ou menos o Concílio Vaticano II. O uso de tais vestes pelo Papa Santo seria a confirmação da missão do Grupo e adicionaria beleza na missão desse Papa.

Capa da TFP por cima do terno
-Esta capa foi feita baseada em um escultura presente na parte exterior da Catedral de Notre Dame em Paris. Era uma veste usada por Nossa Senhora conforme estava na imagem. Portanto, é uma veste que pode se dizer simbolicamente, pertence à Nossa Senhora. E outro motivo concorre para uso dessa veste pelo Papa: é a substituição da murça, que é vermelha como a capa. A mudança então não seria muito chocante para a opinião pública e em relação às vestes antigas. A parte mais chocante seria o fato de ser a capa da TFP.

-Na capa figura o Leão rompante (Nosso Senhor Jesus Cristo é o Leão de Judá), ou seja, posto de pé, com as patas dianteiras levantadas, para indicar a atitude de estar pronto para defender a Igreja e a Civilização Cristã em qualquer circunstância. Esse leão é marcado por uma pequena cruz, que é uma letra grega chamada 'thau'. essa cruz, ou 'thau', lembra um episódio narrado nas Sagradas Escrituras, em que um Anjo marcou com um 'thau' a testa de todos aqueles que não se conformavam com a corrupção de costumes que havia na época. Esses inconformes depois foram salvos de um castigo de Deus mandou aos homens daquela época. E isso mostra claramente uma missão profética.

-O hábito na verdade é o escapulário, que já defendemos que será parte das vestes Papais, com a introdução da Cruz de Santiago no meio. Ora, essa cruz tem exatamente as cores principais usadas pelo Papa: o vermelho e o branco. Não há muitos outros motivos além desse e do fato de ela ser da TFP. O que podemos pensar é se seria mais conveniente ao "princípio de beleza" se a roupa não tivesse a cruz de Santiago. Essa cruz representa coisas muito convenientes, como a cruzada católica, e as palavras de Nosso Senhor "não vim para trazer a paz, mas a espada", o que é bem contrário às doutrinas progressistas que o Papa Santo veio combater. O uso de tal cruz no hábito também enriqueceria a indumentária Papal nos símbolos, o que poderia levar as gerações futuras a refletir isso usando cada vez mais coisas mais simbólicas, e levaria as gerações atuais a pensarem no simbolismo daquele tipo de cruz. Tais razões tornariam conveniente o uso dessa cruz.


Dr.Plinio de capa e hábito com escapulário
2.Disso tudo concluímos que a roupa do Papa Santo será o hábito carmelita, com a capa branca com detalhes dourados na ponta, e escapulário marrom com a cruz de Santiago no meio, e a capa vermelha da TFP com o Leão Rompante marcado com o thau mantendo-a.

Vale lembrar que essas vestes não seriam iguais aos paramentos de eremitas da TFP, por causa do hábito carmelita e do modo como será usada a capa, isto é, como é usada por cima do terno pelos membros, encostando na parte arredondada do capa carmelita.

As vestes litúrgicas Papais iriam voltar a ser as que eram antes, com todos os aparatos tradicionais, os quais foram muitos deles já deixados de lados. Isso deixaria claro a intenção de retorno litúrgico, enquanto a roupa comum, que representaria as rotinas da Santa Igreja, mudaria porque a atitude mudou não só no sentido de restabelecer a tradição, mas de estabelecer uma herança profética. A liturgia é mais um resgate.

Acreditamos também que estas vestes habituais do Papa serão as mesmas substancialmente durante toda a sexta era, a do Reino de Maria. Pelo fato mesmo dessa era ser profética e a capa de Nossa Senhora de Fátima estaria então velando o Papa durante todo este tempo, ela, a parte mais importante nessa missão pelo advento desse Reino.