A Escritura dá medida de modéstia e pudor no falar, como o jeito ou falar inadequado, como palavrões, chocarrice, etc ?

Respondendo objeções prévias tiradas da própria Bíblia

Obj.1:Porque na mão do Senhor está o Cálice de vinho puro cheio de uma mistura, E deitou deste naquele: certamente as suas fezes não se esvaziaram: delas beberão todos os pecadores da terra”, Sl 74, 9. Isto confirma o uso de palavras de baixo calão com os ímpios.

R: Deus se refere aos ímpios dessa maneira de modo profético, no sentido de que são aqueles já destinados a tomar o cálice do furor de Deus. Ora, ninguém poderia dizer de outra pessoa que ela já está destinada, mesmo amaldiçoando alguém, por isso a Escritura diz “os ímpios” e não tais ou quais. Para responder a esta pergunta mais especificamente, p
odemos colocar os palavrões e xingamentos nas seguintes categorias:

1 - Imorais (exemplo: evocadores de imagens impudicas, como partes impudendas do corpo, atos imorais, contra a natureza, homossexualidade, bestialidade)
2 - Contra a honra (exemplo: da família, do próprio, da mulher, dos pais)
3 - Nojentos dependendo de cada local (exemplo: evocadores de imagens de todas as coisas que vão ao lixo ou servem de adubo ou de atos que dão origem a algo de lixo).
4 - Palavras com sinônimos não imorais em si, mas que tomaram o caráter de palavrão por um costume local (exemplo: "fezes" e "prostituta" aparecem na Escritura, mas algumas palavras que designam as mesmas coisas são palavrões).

Muitas vezes um só palavrão abrange mais de uma categoria. Não devemos falar um palavrão da quarta categoria no local dele, mesmo se em outro lugar ou em nossa terra de origem ela não for um palavrão, porque isso causa um escândalo local. 

Já a terceira categoria, na qual entraria as santas palavras do salmista, não é uma categoria em que intrisecamente é contra um mandamento da lei de Deus como no caso das duas primeiras categorias (que infringem, respectivamente, o sexto e o quarto mandamento). O nojento ataca mais a dignidade do homem em não dever pensar nestas coisas ou tomar gosto em falá-las, ou fazê-las, por serem baixas, embora elas precisem estar no vocabulário de alguma forma (como "fezes" está na Bíblia), por causa que a vida humana requer tratar com estas coisas, infelizmente. No entanto, a dignidade no futuro infernal dos pecadores é nula, e por isso o salmista a ataca evocando uma imagem fortemente nojenta, para causar repulsa em quem lê, e não deixar nas pessoas um gosto de tratar dessas cooisas, como é normalmente o caso de quem usa palavreado desta categoria.

Obje.2: Nosso Senhor (Mt 23) chama os escribas e fariseus de coisas baixas, logo se pode usar de vocabulário semelhante com os outros. Pois “filho do inferno” é ser produto da pior coisa possível, logo quaisquer outras palavras podem ser empregadas no vocabulário ou em xingamento, por não chegarem até a hediondez de “filho do inferno”.

R: Nosso Senhor usa tais palavras em repreensões, o que a princípio faria com que só pudesse ser usados palavrões nesse contexto e não no vocabulário geral. Acontece que inferno é conhecido como o lugar onde mora as piores coisas, mas a imagem destas coisas não vem à mente quando pensamos no inferno diretamente, não há nada hediondo atrelado à própria imagem que a palavra significa. A mesma coisa com os outros vocábulos usados por Nosso Senhor e ao longo da história por muitos santos. Quanto ao termo “meretriz” tantas vezes usado na Escritura, também não leva a mente nada imoral em si, pois quando alguém relaciona a palavra com sentido não imagina toda a licenciosidade por trás, o que aconteceria se fosse mencionado os atos e coisas sexuais propriamente, que em nenhum caso devem ser mencionados. No entanto, não podemos acusar ninguém de algo que não é mas poderia ser, como por exemplo: fornicador, assassino, etc, e por isso a palavra “meretriz” não pode ser usada contra outra pessoa que não é aquilo que se diz. Isto difere de chamar os outros de coisas que não poderiam ser, nesse caso o sentido é simbólico. 


Obje.3: "Mas Saul irado contra Jônatas, disse-lhe: Filho de mulher perversa e rebelde, não sei eu por ventura que amas ao filho de Isai para confusão tua, e para confusão da tua infame mãe ?" 1 Samuel 20. Aqui a Bíblia exibe um xingamento contra a honra.

R: Mais provável, de acordo com este mesmo versículo, de ser Jônatas realmente filho do adultério, e a Sagrada Escritura falar apenas de Saul como pai legal dele.

A Sagrada Escritura sobre as palavras impuras, palavrões

Aquele que profere uma linguagem iníqua, não pode fugir dele, e a Justiça vingadora não o deixará escapar; pois os próprios desígnios do ímpio serão cuidadosamente examinados; o som de suas palavras chegará até o Senhor, que lhe imporá o castigo pelos seus pecados. Sabedoria 1

Disse comigo mesmo: Velarei sobre os meus atos, para não mais pecar com a língua. Porei um freio em meus lábios, enquanto o ímpio estiver diante de mim. Salmo 38

Não se acostume a tua boca a palavras indiscretas; porque nelas há sempre pecado. Eclo 23

O homem acostumado a dizer impropérios nunca se corrigirá em toda a sua vida. Eclo 23

O homem bom tira coisas boas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau tira coisas más do seu mau tesouro, porque a boca fala daquilo de que o coração está cheio. Lucas 6

Nenhuma palavra má saia da vossa boca, mas só a que seja boa para a edificação da fé. Efésios 4

Nem sequer se nomeie entre vós a fornicação ou qualquer impureza ou avareza, como convém a santos. Nada de obscenidades, de conversas tolas ou levianas. Efésios 5


Santos deram medida de modéstia e pudor no falar, como o jeito ou falar inadequado, como palavrões, chocarrice, etc ?

CLIQUE: Modéstia, Pureza e Elegância: masculina e feminina