Papas, Santos e Teólogos eram contra a comunhão na mão e ministro da Eucaristia? S.Cirilo apoiou a prática?

S.Basílio de Cesaréia
Do livro O Príncipe dos Cruzados (Volume II, inédito).

A seguir alguns textos da Tradição Católica sobre o caso da comunhão na mão, e uma síntese ao final.

O falso apoio de São Cirilo de Jerusalém

"Dirigindo-se, pois (à Comunhão) aproximai-vos com as palmas da mão abertas, nem com os dedos disjuntos, mas tendo a esquerda em forma de um trono sob aquela mão que está por acolher o Rei e com a direita côncava, recebei o corpo de Cristo, respondendo Amém. Depois que tu, com cautela tiver santificado os teus olhos pondo-te em contacto com o corpo de Cristo, aproximai também do cálice do sangue: não tendo as mãos estendidas, mas genuflexo de modo a expressar senso de adoração e veneração. Dizendo Amém, te santificarás, tomando também o sangue de Cristo. E tendo ainda os lábios úmidos, tocai-o com as mãos e depois com esse santificarás os teus olhos, a fronte e os outros sentidos. Da Comunhão jamais vos afastai, nem vos privai destes sagrados e espirituais mistérios, ainda que estejais manchados pelo pecado" [1].

Obviamente é um sacrilégio aproximar-se da comunhão em pecado como supostamente sugere o santo na última frase. Também é um tanto ridículo todo o ritual supersticioso recomendado depois, com a sugestão de tocar nos lábios, depois nos olhos, etc. 
A descrição desse rito extravagante, em boa parte sacrílego, entrou na Catequese Mistagógica por obra de um sucessor de São Cirilo, que segundo alguns seria o bispo João, um cripto-ariano, origeniano e pelagiano, que mais tarde foi contestado por Santo Epifânio, São Jerônimo e Santo Agostinho.

Além disso, o Sínodo de Trullo (692) no Cân.101 manda comungar com as mãos e depois ainda cita uma frase do parágrafo acima. O Papa da época se negou a apoiar este Sínodo, criticando-o, o que é mais uma prova de que a prática é errônea.

Tradição da Igreja sobre guardar a Eucaristia e receber de mãos não-consagradas em casa só em casos raros


Nos primórdios da Igreja se encontra relatos de fiéis que tinham a Sagrada Eucaristia em casa (cf. S.Cripiano, Tratado 3, no.26, Tertuliano, "Ad uxor.", II, v), que levavam em longas jornadas (S.Ambrósio, De excessu fratris, I, 43, 46), e diáconos eram acostumados a levar a Sagrada Eucaristia para aqueles que não podiam ir ao Culto Divino (cf. São Justiniano, o Mártir, Apologia, I, n. 67), assim como aos mártires, encarcerados, e enfermos (cf. Eusébio de Cesaréia, História Eclesiástica VI.44).

Daí a heroica história de S.Tarcísio, padroeiro dos acólitos. Ele foi martirizado por não querer dar a Sagrada Eucaristia aos guardas da prisão em que estavam os cristãos encarcerados que iriam receber este Santíssimo Sacramento.

S. Justiniano Mártir (100-166)

Testificando que a Eucaristia era distribuída até aos doentes somente pelos consagrados (diáconos e ministros): “Depois que o presidente deu ação de graças e todo o povo aclamou, os que entre nós se chamam ministros ou diáconos dão a cada um dos presentes parte do pão, do vinho e da água sobre os quais se pronunciou a ação de graças, e são também enviados aos ausentes por meio dos diáconos” [3]


S.Basílio Magno (330-379)

"É desnecessário notar que qualquer um que em tempos de perseguição é compelido a comungar com as próprias mãos sem a presença de um padre ou ministro não faz uma ofensa séria, como o longo costume sanciona a prática dos fatos. Todos os solitários no deserto, quando não há padres, tomam a comunhão eles mesmos, guardando-A em casa. Em Alexandria e no Egito, cada um do laicato, na maior parte, guarda a comunhão na sua própria casa, e participa Nela quando quer" [4].

Papa S. Leão Magno (400-461)

No capítulo sobre "A verdade da Encarnação é provada tanto pela festa da Eucaristia quanto pela divina Instituição das esmolas": "A pessoa recebe na boca o que ela acredita pela fé" [5]. 

Papa S.Gregório Magno (540-604) comentando o Papa S.Agapito I

Conta S.Gregório Magno que o Papa reinante de 535 a 536, durante os poucos meses do seu pontificado, dirigindo-se a Constantinopla, curou um surdo-mudo durante o ato de "ei dominicum Corpus in os mitteret (colocou em sua boca o Corpo do Senhor) " [6]. 

S.Tomás de Aquino (1225-1274)

"A distribuição do Corpo de Cristo pertence ao sacerdote por três razões.

Primeira, porque consagra na pessoa de Cristo. E assim como Cristo consagrou o Seu Corpo na (Última) Ceia e O deu também a partilhar aos outros, do mesmo modo tal como a consagração do Corpo de Cristo pertence ao sacerdote, assim também a Sua distribuição lhe pertence.

Segunda, porque o sacerdote foi nomeado intermediário entre Deus e o povo. Portanto, assim como lhe compete oferecer a Deus as oferendas do povo, assim também lhe compete entregar ao povo as oferendas consagradas.

Terceira, porque, por respeito para com este Sacramento, nada Lhe toca a não ser o que é consagrado; eis porque o corporal e o cálice são consagrados, e da mesma maneira as mãos do sacerdote, para que toquem este Sacramento. E assim, não é licito que qualquer outra pessoa Lhe toque, excepto em caso de necessidade, por exemplo, se caísse ao chão ou em qualquer outro caso de urgência" [7]

Concílio de Trento (1545-1563)


"Na comunhão sacramental sempre foi costume na Igreja de Deus receberem os leigos a comunhão das mãos do sacerdote... . Com razão e justiça se deve conservar este costume como proveniente da Tradição apostólica" [8].

São Pio X (1835-1914)


"640) Como devemos apresentar-nos no ato de receber a sagrada Comunhão? 

No ato de receber a sagrada Comunhão devemos estar de joelhos, com a cabeça medianamente levantada, com os olhos modestos e voltados para a sagrada Hóstia, com a boca suficientemente aberta e com a língua um pouco estendida sobre o lábio inferior. Senhoras e meninas devem estar com a cabeça coberta.

642) Quando se deve engolir a sagrada Hóstia? 
Devemos procurar engolir a sagrada Hóstia o mais depressa possível, e convém abster-nos de cuspir algum tempo.


643) Se a sagrada Hóstia se pegar ao céu da boca, que se deve fazer? 
Se a sagrada Hóstia se pegar ao céu da boca, é preciso despegá-la com a língua, nunca porém com os dedos" [9].

Síntese

Pelas mãos de um sacerdote católico é que a Sagrada Comunhão deve ser recebida. O modo de receber é sempre na boca e de joelhos (se não há problema físico em ajoelhar-se). 

Pelas mãos de um diácono a comunhão pode ser recebida extraordinariamente (Código de Direito Canônico-1917, Cân.845, p.2), e não ordinariamente (como diz o novo CDC-1984, Cân.910, p.1). Enumeramos os seguintes casos: 1 - Na missa, quando o diácono é indispensável pelo número alto de pessoas se apresentando para comungar, o que faria o sacerdote demorar muito (não parece razoável considerar menos que meia hora algo demorado, isto é, até por volta de 400 pessoas supondo 5 segundos cada). Caso contrário, que se comungue da mão do sacerdote para não ajudar um erro, sendo prática menos piedosa e que perverte o uso extraordinário do diácono. 2 - Na missa, quando só o diácono está distribuindo a comunhão. 3 - Fora da missa, quando se tem motivos graves para não ir ao culto, e o padre não pode levar ou administrar o sacramento, mas o diácono pode.

Pelas mãos de um ministro extraordinário designado de acordo ao direito (CDC-1984, Cân.910, p.2, Cân.230, p.1) a comunhão pode ser recebida extraordinariamente. Enumeramos os seguintes casos: 1 - Na missa, quando o ministro é indispensável pelo número alto de pessoas se apresentando para comungar o que faria o sacerdote e o diácono, se há algum, demorarem demais. Caso contrário, que se comungue da mão do sacerdote, e se não é possível deste, do diácono, para não ajudar um erro, sendo prática menos piedosa e que perverte o uso extraordinário do ministro, que é mais extraordinário que o diácono. 2 - Na missa, quando só o ministro está distribuindo a comunhão. 3 - Fora da missa, quando se tem motivos graves para não ir ao culto, e nem o padre nem o diácono podem levar ou administrar o sacramento, mas o ministro pode.

Pelas mãos de um ministro extraordinário não designado de acordo ao direito a comunhão pode ser recebida extraordinariamente aonde haja necessidade (o que admite também o CDC-1984, Cân.230, p.3). Só há um caso, e é fora da missa, já que nela teria que ter autorização do sacerdote, logo, seria de acordo ao direito atual: 1 - Quando se tem motivos graves para não ir ao culto, e nem o padre, nem o diácono, nem um ministro regular podem levar ou administrar o sacramento, providenciando que se siga, sempre que possível, o ritual próprio da comunhão extra-litúrgica, e que caso sejam muitos comungantes, o número de ministros seja suficiente, e não cada um seja o ministro para si.


Pelas mãos de uma ministra (uma mulher) a comunhão nunca pode ser recebida. Em primeiro lugar, o código atual, que mesmo nessa matéria é ruim, fala só em "varões" para ministros extraordinários designados (CDC-1984, Cân.910, p.2 e Cân.230, p.1). Alguns argumentem que para não designado (Cân.230, p.2) a referência ao laicato engloba mulheres, mas isto é errado porque em segundo lugar não há, segundo a tradição católica, relato ou autorização de uma mulher para esta função. Nas referências acima, S.Cipriano parece indicar que eram "mãos indignas" as de uma mulher que queria tocar a Eucaristia, e Tertuliano fala de uma mulher que comunga em casa. Harmonizando um com outro, pode ser que a mulher comungava sem sem usar as mãos, com auxílio de uma colher ou algo análogo, como em alguns Ritos católicos orientais se distribui comunhão. A Tradição católica é constante sobre a mulher não poder tomar parte em nenhum serviço litúrgico ou análogo, como já mostramos em um artigo.

A mulher coroinha, leitora, cantora contra a Doutrina Católica. Fala a Bíblia, os Papas, Santos e teólogos

Clique aqui para ver mais artigos em Defesa da Tradição Católica e da TFP 

------------------------------
[1] Catequese Mistagógica V 21 s
[2] The Real Presence of Christ in the Eucharist, 1909, Enciclopédia Católica, Link: http://www.newadvent.org/cathen/05573a.htm
[3] I Apologia, 66
[4] Carta 93, Sobre a Comunhão, Nicene and Post-Nicene Fathers, Second Series, Vol. 8, 1895. Disponível em newadvent.org
[5] Serm. 91.3, III, Comentários ao Evangelho de S.João, capítulo 6 
[6] Diálogos, III, 3
[7] Summa Theologica, Pars III, Q.82, Art. 13
[8] Sessão XIII, de 11-10-1551 – Decreto sobre a Santíssima Eucaristia – capítulo 8
[9] Catecismo de S.Pio X, números indicados