Santos que eram chamados de: "guia de sua época", "árbitro da cristandade", "alma da Igreja", "suporte do Papado"

S. Catarina de Siena
São Bernardo de Claraval (1090-1153): "árbitro universal", "suporte do Papado", "guia de sua época"

“Dentro do Concílio e fora do Concílio, todos os olhares estavam cravados em Bernardo. Dia e noite, os visitantes o assediavam, deitando-se diante de sua porta, impacientes por entrar, por lhe fazer perguntas. Ele tornou-se o árbitro universal, com o qual se contava, de crise em crise, para tirar a Igreja dos embaraços” [1].

“A veneração pública, da qual incessantemente (São Bernardo) recebia testemunhos tão numerosos quanto veementes, oprimia sua humildade, por longo tempo solicitou a permissão do Sumo Pontífice para retornar a Claraval e repousar, uma vez mais, à sombra de seu claustro. Mas seus dias de descanso não haviam chegado ainda e o Papa parecia não poder ficar sem o santo monge, a quem considerava como o suporte do Papado e a alma de toda Igreja (...).

Eugênio III encontrava-se impossibilitado de presidir pessoalmente à assembleia de Vézelay. Para cumprir esta missão apostólica, ele enviou como delegado seu, o homem cuja autoridade ultrapassava, de certo modo, a do próprio Pontífice (...). Ele (São Bernardo) dirigia a consciência de reis e pontífices e através deles foi o guia de sua época” [2].

Santa Catarina de Siena (1347-1380): "orientadora dos pontífices, príncipes e Cardeais", "árbitro da cristandade"

“Esta ação dos dons do Espírito Santo em Santa Catarina será algumas vezes silenciosa e inconsciente, outras imperante e avassaladora, guiando-a sempre na própria santificação, e no apostolado individual santificador de seus discípulos, e no plano social, pacificador de povos e orientador de pontífices, príncipes e cardeais” [3].

“Somente por sua autoridade santa, tornou-se, mocinha ainda, a conselheira atendida do Papa e dos governos, o árbitro da cristandade, e apareceu como um dos tipos mais extraordinários e mais puros desta sorte de profetismo que em certas horas de crise excepcional, apraz à Providência fazer surgir ao lado da hierarquia eclesiástica” [4].

Beata Anna Maria Taigi (1769-1837): "suporte do Papado"

“Seu papel essencial (da Beata Taigi) é o de sustentar o Papado mediante suas orações (...). Os príncipes da Igreja vão à sua casa, alguma vezes, solicitar seus conselhos, mas suas armas preferidas são o silêncio e imolação” [5].

Vidas de Santos: davam bênçãos mesmo sendo leigos, as pessoas ajoelhavam-se diante deles e osculavam-lhes os pés

Considerados santos ainda em vida e venerados assim por outros santos, que os incluíam na ladainha dos santos e guardavam suas relíquias

Declaravam a sua missão como santa ou profética, ou mesmo se diziam predestinados

Clique aqui para ver mais Leituras Místicas

--------------------------
Fontes:
[1] Gorges Goyau, Saint Bernard, E.Flammarion, Editeur, 1948, p.94
[2] M. L’Abbé Ratisbonne, The Life and Times of St.Bernard, P.J. Kenedy, Excelsior Catholic Publishing House, New York, 1895, pp.225, 347 e 353
[3] Fr.Francisco Barbado Viejo OP, Obras de Santa Catalina de Siena, Prólogo, BAC, Madrid, 1955, p.XXV. Imprimatur: Fr.Francisco, OP, Obispo de Salamanca, 1-12-1955
[4] Paulo Thureau-Dangin, São Bernardino de Sena, Vozes, Petrópolis, 1937, p.16. Com aprovação eclesiástica, 23-6-1937
[5] Albert Bessieres SJ, La Beata Ana Maria Taigi, Desclée de Brouwer, Buenos Aires, 1942, pg.139 e 151. Puede imprimir-se: Mons. Dr. Antonio Rocca, Obispo de Augusta y Vicario General, Buenos Aires, 28-3-1942