Papa Francisco cita Bento XVI citando João XXIII e João Paulo II sobre a urgência de um Governo Mundial, incluso para promover o desarmamento

João XXIII
Sobre o desarmamento na Doutrina da Igreja recomendamos nosso artigo:

Bíblia, Papas, Santos e Teólogos contra o desarmamento e a impossibilidade de auto-defesa

O Papa Francisco no número 175 de sua Encíclica Laudato Si' (grifos nossos), do dia 24 de Maio de 2015:

"O século XXI, mantendo um sistema de governança próprio de épocas passadas, assiste a uma perda de poder dos Estados nacionais, sobretudo porque a dimensão económico-financeira, de carácter transnacional, tende a prevalecer sobre a política. Neste contexto, torna-se indispensável a maturação de instituições internacionais mais fortes e eficazmente organizadas, com autoridades designadas de maneira imparcial por meio de acordos entre os governos nacionais e dotadas de poder de sancionar. Como afirmou Bento XVI, na linha desenvolvida até agora pela doutrina social da Igreja, "para o governo da economia mundial, para sanar as economias atingidas pela crise de modo a prevenir o agravamento da mesma e consequentes maiores desequilíbrios, para realizar um oportuno e integral desarmamento, a segurança alimentar e a paz, para garantir a salvaguarda do ambiente e para regulamentar os fluxos migratórios urge a presença de uma verdadeira Autoridade política mundial, delineada já pelo meu predecessor, João XXIII". (Encíclica Caritas in Veritatis, número 67) Nesta perspectiva, a diplomacia adquire uma importância inédita, chamada a promover estratégias internacionais para prevenir os problemas mais graves que acabam por afetar a todos".

A referência ao Papa João XXIII é a Carta encíclica Pacem in terris (11 de Abril de 1963: AAS 55 (1963), 293; Pontifício Conselho "Justiça e Paz", Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n. 441).

O Papa Bento XVI, além de citar o Concílio Vaticano II na matéria, continua em sua Encíclica citada acima (grifos nossos):

"Além disso, uma tal Autoridade deverá ser reconhecida por todos, gozar de poder efetivo para garantir a cada um a segurança, a observância da justiça, o respeito dos direitos. Obviamente, deve gozar da faculdade de fazer com que as partes respeitem as próprias decisões, bem como as medidas coordenadas e adoptadas nos diversos fóruns internacionais. É que, se isso faltasse, o direito internacional, não obstante os grandes progressos realizados nos vários campos, correria o risco de ser condicionado pelos equilíbrios de poder entre os mais fortes. O desenvolvimento integral dos povos e a colaboração internacional exigem que seja instituído um grau superior de ordenamento internacional de tipo subsidiário para o governo da globalização e que se dê finalmente atuação a uma ordem social conforme à ordem moral e àquela ligação entre esfera moral e social, entre política e esfera econômica e civil que aparece já perspectivada no Estatuto das Nações Unidas".

O mesmo Papa cita João Paulo II:

"As Instituições e as Organizações existentes têm trabalhado bem em favor dos povos. Contudo, a humanidade, ao enfrentar uma fase nova e mais difícil do seu desenvolvimento autêntico, hoje tem necessidade de um grau superior de ordenação a nível internacional, ao serviço das sociedades, das economias e das culturas do mundo inteiro" (Sollicitudo rei socialis, 30 de Dezembro de 1987, número 43).

Salmo em reparação (Salmo 129)

"Desde o mais profundo clamei a Ti, Senhor. Senhor, ouve a minha voz. Estejam atentos os teus ouvidos à voz da minha súplica. Se examinares, Senhor, as nossas maldades, quem, Senhor, poderá subsistir ?

Mas em Ti se acha a clemência, e por causa da tua lei pus em Ti, Senhor, a minha confiança. A minha alma está confiada na sua palavra, a minha alma esperou no Senhor.

Desde a vigília da manhã até a noite, espere Israel no Senhor. Porque no Senhor está a misericórdia, e há nele copiosa redenção. E Ele mesmo redimirá Israel de todas as suas iniquidades".

Veja mais sobre a crise na Igreja:

Papa Francisco: aumento do uso de ar-condicionados é hábito nocivo, "tal comportamento que às vezes parece suicida". Vida na selva ?

Papa Francisco diz: "O Corão é um livro profético de paz". O que pensar ? 

João Paulo II celebra missa com homens e mulheres nus (índios), que ajudam a ler a epístola e a levar as oferendas  

No Concílio Vaticano II o homem é o centro de tudo e as aspirações do homem mundano daquele tempo são as mesmas do fiel católico

Papa Bento XVI refuta em fotos os que o chamam de "mestre da liturgia"

Clique aqui para ver mais provas da crise na Igreja