Papa Francisco critica a sociedade patriarcal, fala de um "tipo" bom de feminismo e que não se deve pressionar os que coabitam a casar

Acima, vídeo no qual se ouve e vê a última citação papal aqui.

No seu livro de 1965, o Dr.Plinio Corrêa de Oliveira descreveu o processo de "Baldeação ideológica inadvertida", pelo qual a pessoa muda de ideologia sem perceber. Para isso a guerra psicológica da Revolução usa a palavra-talismã para indicar uma gama de significados, e de modo hipnótico, criar uma nova linguagem para modelar e manipular as mentes.

Atualmente é sabido que alguns tentam aplicar esta estratégia tentando dar um significado bom ao "feminismo", movimento que é mais conhecido como abortista, anti-família, anti-tradicional, igualitário, a favor da ideologia de gênero, e contra a Igreja, sendo muitas vezes blâsfemo. Ora, a Igreja nunca utilizou esta palavra antes, nem ao menos para dá-la um significado bom.

As referências a seguir são da Exortação Apostólica Pós-Sinoidal Amoris Laetitia, de 19 de Março de 2016:

"Aprecio o feminismo, quando não pretende a uniformidade nem a negação da maternidade". No. 173

"Alguns consideram que muitos dos problemas actuais ocorreram a partir da emancipação da mulher. Mas este argumento não é válido, «é falso, não é verdade! Trata-se de uma forma de machismo»" No.54.

O Sumo Pontífice alega que São Paulo Apóstolo estava sob influência cultural quando expôs sua doutrina sobre o matrimônio, isto é, falava o santo de uma conveniência, e não uma doutrina fixa, embora ele tenha exposto ali, como vemos claramente pela análise da linguagem e pela tradição católica, uma doutrina

"E não obstante ele escrevesse numa época em que dominava uma cultura patriarcal, na qual a mulher era considerada um ser completamente subordinado ao homem". No.154

"156. É importante deixar claro a rejeição de toda a forma de submissão sexual. Por isso, convém evitar toda a interpretação inadequada do texto da Carta aos Efésios, onde se pede que «as mulheres [sejam submissas] aos seus maridos» (Ef 5, 22). São Paulo exprime-se em categorias culturais próprias daquela época; nós não devemos assumir esta roupagem cultural, mas a mensagem revelada que subjaz ao conjunto da perícope (...)".

Portanto, é neste contexto que se deve entender a notícia a seguir, de 2015, a qual pareceria somente uma brincadeira, mas é um jeito de mudar a palavra feminismo para uma coisa boa, uma preferência boa pelas mulheres

"O papa Francisco disse nesta quinta-feira (17) que é "um pouco feminista", ao discursar para cerca de cinco mil jovens consagrados no Vaticano. "Perdoem-me se sou um pouco feminista, mas preciso agradecer o testemunho das mulheres consagradas", disse o Papa, provocando um caloroso aplauso. "Mas não todas, hein? Algumas são um pouco histéricas", completou, gerando mais risos na platéia" [1].

Também o Papa Bergoglio deixou claro que não se deve pressionar um casal a sair do pecado, isto é, não se deve pressionar um casal católico vivendo junto, sem matrimônio sacramental, a casarem na Igreja, chegando a dizer que algumas destas coabitações são matrimônio verdadeiro, por causa da fidelidade.

"Uma outra experiência minha em Buenos Aires: os párocos, quando faziam o curso de preparação, eram sempre 12 ou 13 casais, não mais, não chegava a 30 pessoas. A primeira pergunta que faziam: "Quantos de vocês estão vivendo juntos?". A maioria levantava a mão. Eles preferem coabitar, e este é um desafio, demanda trabalho. Não dizer imediatamente: "Por que não se casam na Igreja?". Não. Acompanhá-los: esperar e fazar amadurecer. E fazer amadurecer a fidelidade (...). No entanto, em verdade eu digo que vi tanta fidelidade nestas coabitações, e estou seguro que são verdadeiramente matrimônios, possuem a graça do matrimônio, apenas pela fidelidade que possuem" [2].

Salmo em reparação (Salmo 6)

"Senhor, não me arguas no teu furor, nem me castigues na tua ira. Tem misericórdia de mim, Senhor, porque sou enfermo; sara-me, Senhor, porque meus ossos estremeceram. E a minha alma turbou-se em extremo, mas Tu, Senhor, até quando ? Volta-te, Senhor, e livra a minha alma, e salva-me pela tua misericórdia.

Porque na morte não há quem se lembre de Ti, e na habitação dos mortos, quem Te louvará ? Estou esgotado à força de tanto gemer, lavarei meu leito com lágrimas todas as noites, regarei com elas o lugar do meu descanso. 

Os meus olhos se turbaram por causa do furor, envelheci no meio de todos os meus inimigos. Apartai-vos de mim, todos os que praticais a iniquidade, porque o Senhor ouviu a voz do meu pranto.

O Senhor ouviu a minha súplica, o Senhor ouviu a minha oração. Sejam confundidos, e em extremo conturbados todos os meus inimigos, retirem-se e sejam num momento cobertos de vergonha".

Veja mais sobre a crise na Igreja:

João Paulo II homenageia o herege blâsfemo Martinho Lutero nos quinhentos anos de seu nascimento

Bento XVI diz amar a Igreja cismática, lamenta as excomunhões do passado, e diz crescer na unidade ao rezar junto deles e hereges 

João Paulo II celebra missa com homens e mulheres nus (índios), que ajudam a ler a epístola e a levar as oferendas  

Papa Bento XVI refuta em fotos os que o chamam de "mestre da liturgia"

Clique para entender a crise na Igreja

--------------------------
[1] "Papa se desculpa por ser feminista e provoca risos", 17/09/2015. Link: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2015/09/17/papa-se-desculpa-por-ser-feminista-e-provoca-risos.htm
[2] Tradução nossa de: Apertura del Convegno Ecclesiale della Diocesi di Roma, 16 de Junho de 2016. Resposta à terceira pergunta Link (italiano): http://w2.vatican.va/content/francesco/it/speeches/2016/june/documents/papa-francesco_20160616_convegno-diocesi-roma.html