Beato Bartolomeu Holzhauser: no Apocalipse a vinda da sexta idade da Igreja, a maior glória dela antes do anti-Cristo

Bartolomeu Holzhauser (1613-1658) foi um padre Alemão visionário, que escreveu uma interpretação ao livro do Apocalipse. Negritos nossos.

Apocalipse, Capítulo III - Versículos 7-13

Na sexta idade, uma Igreja Santa, verdadeira e poderosa


V.7 - "E escreve ao anjo da Igreja de Filadélfia: Isto diz o Santo e o Verdadeiro, que tem a chave de David, que abre e ninguém fecha, que fecha e ninguém abre".
A sexta idade da Igreja começará com o monarca poderoso e com o Pontífice santo, que já falamos, e durará até a aparição do Anti-Cristo.

Essa idade será uma idade de consolação (consolativus), na qual Deus consolará sua Santa Igreja, das aflições e tribulações que ela passou durante a quinta idade. Todas as nações serão unidas na unidade da fé católica.
O sacerdócio florescerá mais que nunca, e os homens procurarão o reinado de Deus e sua justiça em todas as coisas. (...)

Filadélfia significa amor do irmão. Santo e Verdadeiro, que tem a chave de David: insígnias de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que abre e ninguém fecha, ...: poder desta chave de Cristo; ninguém pode impedir que os decretos de sua divina vontade se cumpram no céu, na terra e nos infernos. Insígnias e poder que ele transmite à sua Igreja, especialmente na sexta idade: Igreja santa, verdadeira e poderosa.

Nessa era muitos se salvarão


V.8 - "Conheço as tuas obras. Eis que pus diante de ti uma porta aberta que ninguém pode fechar. Porque tens pouca força e guardaste minha palavra, e não negaste o meu nome".
Conheço as tuas obras: elogia as obras da sexta idade. Uma porta aberta que ninguém pode fechar: conhecimento claro e profundo da Sagrada Escritura, que nenhum herege poderá perverter. Também significa que foi aberta a porta da fé e da salvação das almas, que estava fechada a uma quantidade imensa de homens durante a quinta idade, devido às heresias e às abominações dos pecadores. Porque tens pouca força e guardaste minha palavra: indica os méritos e qualidades dos poucos servidores de Deus ao fim da quinta idade e início da sexta. O meu nome: a minha fé.

Conversão dos hereges e dos cismáticos


V.9 - "Eis que darei da sinagoga de Satanás os que se dizem judeus e não o são, mas mentem; eis que farei com que venham e se prostrem aos teus pés; e conhecerão que te amei".
Conversão de hereges e cismáticos que se humilharão e se submeterão ao poder espiritual da Igreja Católica, e confessarão que ela é a única verdadeira.

Só acabará essa idade quando vier o anti-Cristo


V.10 - "Porque guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei na hora da tentação, que virá a todo o mundo para provar os habitantes da terra".
Hora da tentação: época do Anticristo, que só virá após a sexta idade.


A sétima idade


V.14 - "E escreve ao Anjo da Igreja de Laodicéia: Isto diz o Amen (aquele que é a mesma verdade), a testemunha fiel e verdadeira, aquele que é o princípio das criaturas de Deus".
Igreja de Laodicéia: sétima e última idade da Igreja, época de desolação, do Anticristo. O Amen... : atributos ou insígnias de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Vs. 15-l6 - "Conheço tuas obras; tu não és frio nem quente; oxalá fosses frio ou quente. Mas porque és morno, e nem frio nem quente, começarei a vomitar-te de minha boca".
Nem frio nem quente: não tem temor de Deus nem o fervor da caridade. Oxalá fosses... : Nosso Senhor Jesus Cristo deplora o triste estado da sua Igreja. Porque tu és morno: languidez na fé, na esperança e na caridade. Começarei a vomitar-te: a te abandonar, permitir que caias em heresias e sejas dominado pelo Anticristo. Isso tudo começará a ocorrer no fim da sexta idade.

Vs. 17-18 - "Porque dizes: sou rico e cheio de bens, de nada tenho falta. E não sabes que és infeliz e miserável, pobre, cego e nu. Aconselho-te que compres de mim o ouro provado no fogo para te tornares rico e te vestires de roupas brancas e não se descubra a vergonha de tua nudez; e unge os teus olhos com um colírio para que vejas".
São os vícios e defeitos dessa idade. Presumpção de espírito. Ser rico: dotado de justiça, verdade e ciência. Opulento: conhecimento e prática de todas as artes; experiência superior à de todos os séculos anteriores. De nada ter falta: não precisar ser instruído por outros. Tu não sabes... : não conheces tua cegueira, vícios, defeitos, pobreza de méritos e de virtudes. Vã confiança nas riquezas; estas sem amor de Deus serão presa do Anticristo.
Aconselho-te... : adquirir virtudes para cobrir a nudez dos pecados. Colírio que te faça ver: meditação dos fins últimos e da Sagrada Escritura.

V.19 - "Repreendo e castigo aqueles que amo. Tem, pois, zelo e faze penitência".
Uma advertência e duas ordens.

V.20 - "Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei e ceiarei com ele e ele comigo".
Nosso Senhor Jesus Cristo estará à porta de sua Igreja quando vier para o juízo final. Quem lhe abrir a porta do coração será consolado e fortificado em meio aos suplícios e às adversidades.

V.21 - "Aquele que vencer sentar-se-á comigo no meu trono, como eu mesmo venci e me sento com meu Pai no seu trono".
Promessa aos que permanecerem fiéis na última idade, de que serão juízes dos vivos e dos mortos.

V.22 - "Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às Igrejas".


---------------------
Fonte:
Livro I, Secção III, "Interprétation de l'Apocalypse" par le Vénerable Serviteur de Dieu Barthélemy Holzhauser, traduit du latin par le Chanoine de Wuilleret, Librairie de Louis Vives, Éditeur, Paris, 1856.