Beato Palau diz que nas trevas, "Deus despertará os homens com um horrendo cataclisma", "a sociedade moderna vai ser destruida"

Beato Francisco Palau y Quer (1811-1872) foi um padre carmelita exorcista espanhol. Foi um dos primeiros a tentar aumentar o número de exorcistas nas Igrejas. Em 1868 fundou o semanário "El Ermitaño", onde iria escrever muitas profecias.
Os negritos são nossos.

"Católicos da Espanha e da Itália e de todo o mundo; este é, em resumo, o juízo do Ermitão sobre o futuro:

Santa Igreja perderá completamente o apoio dos poderes políticos da terra

O poder dos que combatem o catolicismo irá sempre crescer até chegar ao seu apogeu: no terreno da política, e da força material prevalecerá o inimigo, e a Santa Igreja perderá completamente o apoio dos poderes políticos da terra. Só com Deus, lutará contra todos os poderes do inferno, coligados com os políticos da terra, e vencerá por ação imediata de Deus. A caída imediata do império do mal, e o triunfo da Igreja, sobre as ruínas da incredulidade, será um cataclisma do mais espantoso que viram os séculos

Todos os poderes políticos se converterão para a fé católica

Nada os seduza com vãs esperanças de paz e de triunfo: o triunfo de Deus sobre a terra não é outra coisa que a conversão à Igreja dos poderes que agora a combatem, e antes que isto suceda, tem de preceder a época dos mártires" [1]

Deus tem usado profetas para advertir sobre estes tempos

"A causa do catolicismo não marcha por caminhos que o homem tem traçado, corre pela linha que ela tem marcado pelo Senhor, seu Rei, o homem-Deus. Estes caminhos estão fora do alcance da inteligência humana, é verdade, mas Deus tem desejado revelá-los pelos seus profetas em proporção a necessidade que a sociedade humana tem tido de conhecê-los, para não cair no abismo.

Adverte o Apocalipse: depois de um tempo Satanás será desamarrado, sairá de seu cárcere e seduzirá todas as nações que existem nos quatro cantos do globo. Congregará seus exércitos para a batalha contra Deus. Aqui se vê cumprido este texto. Todas as nações representadas por seus sistemas políticos e seus governantes atuais tem apostatado de Deus.

Castigo de ordem natural mandado por Deus para acordar os homens

As nações ao separarem-se do Evangelho tem caído prisioneiras, e o vencedor as tem ligado com suas cadeias de dominio. Satanás solto e livre, "solvetur de carcere suo, exibit", seduz todas as nações (...) Os meios de salvacão estão envoltos em profundos mistérios: é de noite, a gente dorme, as trevas cobrem a face da terra; mas Deus como autor desta ordem natural que o homem transtorna, despertará os sonolentos pela voz do Arcanjo, e lhes despertarão em um horrendo cataclisma da natureza mesma, e esta ordem vomitará de si os que a combatem" [2].

A sociedade moderna precisa ser destruída

"Restaurará Deus a sociedade humana? Sim, e tem de ser logo. Como? Quando? Para a restauração da sociedade atual, este é o que infalivelmente tem de suceder:

1 - A sociedade moderna cai, se funde, se dissolve, morre, e perece.
2 - Deus e seu Cristo excluído do seio do Estado, sairá como um leão das covas, dos desertos das catacumbas, ostentará a onipotência de seu braço, e aniquilará o poder dos poderosos

O mundo será redimido uma segunda vez [3] porque Satanás que é seu verdadeiro tirano outra vez tem sido solto, e livre tem posto as nações debaixo de seu domínio cruel e despótico.

Quando? Isso será no dia em que Satanás for acorrentado e jogado ao abismo" [4]. 

De noite, nas trevas da meia-noite, virá o castigo

"Posto que é de noite, cercam as trevas, dormem os povos e nações na letargia de suas culpas, segue o ímpio em sua obra de maldade, e tu, Ermitão, espera, vigia, esteja atento até que chegue as trevas da meia-noite.

Os inimigos são continuadores de Judas, pessoas avisarão, mas não vão acreditar por causa das catástrofes anunciadas

Não abandone seus desertos, guarda silêncio, mas escuta: deixa que o demônio e o ímpio completem o mistério de iniquidade que tem começado dentro do mesmo santuário, por Judas traidor....os inimigos tem entrado na cidade, e para seduzir, tem levantado a bandeira de nosso rei. Nós os vigilantes noturnos damos o grito de alerta ! Às armas católicos ! Alertamos, mas a gente dorme tão profundamente que não nos ouvem e se algum está desperto não nos entende; pensa que o sereno ficou louco anunciando catástrofes e desgraças" [5].

Virão dias de trevas como castigo tal como na praga do Egito

“O fato, escreveu, se anuncia da seguinte forma: enquanto num dia claro e sereno o sol estará em seu percurso, repentinamente se farão trevas tão densas que poderão ser apalpadas e tocadas, as quais cobrirão a face da terra.

O céu se apresentará sob um aspecto tão espantoso que, vendo-o, as pessoas fugirão e se esconderão no mais recôndito de suas casas, fechando portas e janelas como no momento de uma tempestade arrepiadora. 

Espectros horripilantes aparecerão nos ares, dando uivos espantosos. Se por um momento a lua abrir caminho entre as trevas, apresentar-se-á vestida de sangue para quem tenha coragem de olhá-la. 

Esses serão dias de ira e de maldição, dias em que o anjo exterminador, como a morte montada em corcel acompanhado pelo inferno, visitará a casa do ímpio, do incrédulo, desse homem que cheio de arrogância desafia a onipotência de Deus, assim como visitou o Egito matando numa noite seus filhos varões primogênitos. 

Perecerão de espanto muitíssimas pessoas, que acreditarão ter chegado o mundo a seu fim, e sentir-se-ão envolvidas por uma noite eterna. 

Horrendas convulsões da natureza anunciarão que Deus seu autor está irritado, e à maneira como uma mulher energúmena se contorce quando o espírito de maldade é expulso de seu corpo, assim a natureza, no ato de expelir de seu seio esses anjos revolucionários, que unidos ao homem iniquo transtornam todas as leis, fará sentir que chegou a hora suprema da renovação. 

Entrando nas casas do ímpio, a morte passará velozmente e com seu alfanje segará anciãos, crianças, homens, mulheres. 

Quem ficar com vida, procurará luz para ver os cadáveres, e o relâmpago descobrirá o rosto amarelo da esposa, da filha, do irmão, do pai. 

Tentará auxiliar o moribundo, procurará fogo, e este se negará a dar luz e calor.

O justo, aquele que acredita, acenderá a luz e esta arderá ante o Senhor, enquanto orará prosternado por terra, aguardando que o Deus das vinganças conclua sua visita e venha a sua misericórdia. 

Fechará portas e janelas, e recolhido no oratório com sua família, fazendo jejum, oração e penitência, humilhar-se-á ante o Juiz que castiga o delinquente, enquanto o ímpio perecerá com sua impiedade.

Nesses três dias será Deus quem batalhará contra os insensatos que agora insultam a sua onipotência.

O orbe inteiro acompanhá-lo-á montado, para confirmar a verdade católica.

E retirando-se do campo de batalha, vencedor e triunfante sobre as trevas, jogará os espíritos que as produzem ao fogo eterno do inferno” [6].

Maus católicos serão castigados e até levados ao inferno

“Quando naqueles tenebrosos dias o Anjo da justiça de Deus entrar nas casas dos católicos para castigar sua incredulidade, encontrará nelas fé na existência dos demônios?

Aqui estou eu, dirá, revelando-se ao incrédulo com figuras horripilantes. Aqui estou eu. Me vês? Acreditas porque me vês. 

Tarde acreditaste: venho não como apóstolo para pregar minha existência, mas como verdugo para castigar tua incredulidade. Vem comigo, serás meu companheiro de infortúnio nos infernos” [7].

O padre carmelita interpreta a profecia da Beata Taigi

“Do processo da própria venerável Taigi foi tirada a predição dos dois grandes castigos, um do céu e outro da terra. 

Terminado este último, que consistirá em guerras, revoluções e outras calamidades, virá o do céu, que segundo outra profecia da mesma Taigi, se explica assim: 

Grandes trevas deverão vir e estender-se por todo o mundo durante três dias e três noites. 

Serão tão espessas, que não se verá absolutamente nada, sendo ao mesmo tempo pestilenciais, e ferirão sobretudo aos inimigos da Religião, sem que por isso se acredite que o açoite atacará somente a esses.

Enquanto durar, luz alguma fornecerá claridade, fogo algum poderá brilhar e só as pessoas que tiverem velas bentas poderão ver. 

Recomenda-se não tratar de penetrar na escuridão do céu durante as trevas, porque toda pessoa que se puser na janela ou sair de sua casa para tentar descobrir o que está acontecendo no firmamento, ficará fulminada no ato.

Durante todo o tempo que durar a prova se deverá passar em oração, e sobretudo rezar o santo Rosário e aguardar, num estado de prova e de humilhações, que o Senhor nos conceda de novo a sua misericórdia.

O próprio diretor espiritual da venerável Taigi, Mons. Raffaele Natali, dizia, em agosto de 1864: 

"É muito verdadeiro que a venerável Serva de Deus anunciou o açoite dos três dias de trevas espalhado sobre toda a terra... 

Nestas circunstâncias, as janelas deverão ficar fechadas, devendo-se evitar debruçar sobre elas, e será imperioso rezar o santo Rosário e fazer oração.”

Ignoramos que caráter têm essas predições, porque não sabemos o que a Igreja, única autoridade na matéria, declarou sobre elas. 


É certo que Deus não precisa de meios extraordinários para dar o triunfo à Igreja, mas também é verdadeiro que em seus inescrutáveis desígnios pode querer confundir com prodígios a soberbia e a maldade de seus inimigos” [8].

Pe.Palau demonstra teologicamente como esta profecia exige a vinda de uma voz profética

“De que serviriam os três dias de trevas tais como os prediz a venerável Taigi, se não fossem sinais para dar crédito a uma missão, como o foram as trevas que Moisés atraiu contra os egípcios? 

Sem a mão de um profeta produziriam o mesmo efeito que as epidemias e as guerras.

Para que o ímpio não as atribua à pura obra da natureza, será necessária uma voz apostólica que as mande e as retire para dar crédito à onipotência do Deus dos católicos, e a verdade do poder da Igreja” [9].

Beato Palau profetiza "a mais encarniçada guerra", e a apostasia na ordem civil e espiritual

São Luís Maria Grignion de Montfort profetiza o Reino de Maria e os apóstolos dos últimos tempos

Beato Francisco Palau fala de um restaurador da Igreja Católica: um novo Elias, um novo Moisés

--------------------------------------------------------------------
[1] Cfr."El Ermitaño”, Ano III, 19 de Maio de 1870.
[2] Cfr. “El Ermitaño”, Ano III, Nº 95, edição de 1 de setembro de 1870; Ano III, Nº 101, edição de 13 de octubre de 1870; Año III, Nº 132, edição de 18 de maio de 1871, respectivamente.
[3] No sentido de que serão aplicados os frutos abundantes da redenção de Cristo à humanidade, através de graças similares às de pentecostes.
[4] Cfr. “El Ermitaño”, Ano II, Nº 52, edição de 28 de outubro de 1869.
[5] Cfr. “El Ermitaño”, Ano II, Nº 21, 25 de março de 1869.

[6] “Tres días de tinieblas sobre el orbe entero”, El Ermitaño, Nº 119, 16-2-1871
[7] “Lluvia de estrellas”, El Ermitaño, Nº 158, 16-11-1871
[8] “Tres dias de tinieblas”, El Ermitaño, Nº 155, 26-10-1871
[9] “La cruz”, El Ermitaño, Nº 159, 23-11-1871