Beato Francisco Palau fala de um restaurador da Igreja Católica: um novo Elias, um novo Moisés


Beato Francisco Palau y Quer (1811-1872) foi um padre carmelita exorcista espanhol. Foi um dos primeiros a tentar aumentar o número de exorcistas nas Igrejas. Em 1868 fundou o semanário "El Ermitaño", onde escreveu muitas profecias.

Do livro "O Príncipe dos Cruzados (Vol. I, parte I, 3a edição, Cap. V)".

Os negritos são nossos.

 "Antes que se levante Carlos, ou outro rei Católico, Deus dirá a um homem o que disse a Moisés: "Aqui tens uma vara: nela mostrarei a todas as nações minha existência e minha onipotência". A este homem serão entregados, a discrição, os demônios, para serem lançados fora do corpo da sociedade atual, do corpo das nações....A este homem obedecerão terra, inferno e céus, os elementos e a natureza inteira: este homem estará em pé firme "insignitis et potentis ante reges horrendos", diante desses reis com quem Pio IX agora tem que transigir, e nesse homem terminará os sistema das transigências;  

O restaurador terá dons incríveis, e expulsará os demônios da sociedade.

Quando virá? Quando ninguém o creia; quando todas as nações terem consumado, nas pessoas de seus reis, a apostasia da fé; quando vejas diabo glorificando-se em seu triunfo, resistindo ao poder dos católicos. Quando o diabo chegar ao extremo de se apresentar na frente de todos reis da terra declarando guerra contra Deus com seu lema: "Revolução!" Quando vós, os encarregados de jogá-lo no abismo, sejais impotentes para vencê-lo por causa da incredulidade deles. Então aparecerá no mundo este homem para anunciar seu fim" [1].

Virá no dia da apostasia geral, no dia da guerra geral, no dia em que o clero, isto é, os encarregados de combater o diabo forem impotentes por causa de incredulidade.

“Elias recomporá as coisas eclesiásticas em sua devida ordem com mão potente, banirá do seio da Igreja os falsos políticos, anticristãos, essas falanges de escritores e doutores que em nome de Cristo seduzem os povos, e limpará o templo de Deus das abominações com que o emporcalham os maus católicos” [2].

Daí a restauração do clero pela mão desse Elias, isto é, o fim do progressismo 

"Não se conhece outro restaurador senão ele. Se vem a restauração verdadeira que consiste na conversão a Deus de todas as nações e de seus reis, o restaurador não pode ser rei, e sim apóstolo....E este apóstolo será Elias, o Elias prometido, seja qual for o nome que lhe será dado ao aparecer. Chame-se João, Moisés, Pedro, o nome pouco importa: a missão de Elias restaurará a sociedade humana porque assim Deus em sua providência ordenou" [3]. 

Quem será? Não é o grande monarca das profecias, porque não é rei, mas restaurará a sociedade por completo 

"Será Elias o tesbita, aquele próprio que profetizou durante o reinado de Acab e Jesabel, reis de Israel? Não sabemos.

Mas não tem nada contra a fé acreditar que seja um homem qualquer, um pescador como Pedro, o filho de um marceneiro como Jesus, um pobre homem, ignorante segundo a ciência do mundo, mas sábio para sua missão” [4].

“Quando os apóstolos desceram do monte [Tabor], perguntaram a seu mestre sobre a missão de Elias, e Jesus respondeu: Elias em verdade virá, e quando vier, restabelecerá todas as coisas (São Mateus, cap. XVII). 

Eis o restaurador, preparado para a lei de graça, como Moisés o foi da lei escrita. Este restaurador vive? Afirma-o a tradição, e assim devemos crer.

No século XVI escolheu uma espanhola, a grande Teresa de Jesus, e a escolheu para restaurar o Carmelo. Apareceu-lhe muitas vezes, garantindo-lhe que nos últimos tempos sua Ordem se apresentaria com grande força ao combate".

Será da Ordem do Carmo, o que inclui um simples leigo carmelita terceiro.

“No Carmelo, isto é, entre os carmelitas, que herdaram pelas mãos de Eliseu sua capa, e com sua capa seu espírito, e sua missão” [5].

"este homem, o mais extraordinário que os séculos viram, terá o poder de "percutere terram omni plaga quoties cumque volverit”, esse homem é escolhido pela Rainha deste monte Carmelo para general e chefe de todos os exércitos de Deus, e este homem está às ordens de sua Rainha, escondido no monte santo, e preparado para o dia e hora que Deus marcou para a sua missão, e por este homem a Rainha do Carmelo restituirá a ordem na sociedade humana". 

Será o homem mais extraordinário já visto, muito mariano e oriundo do Monte Carmelo. O Beato Holzhauser também fala de um vindouro "Grande General". 

Sim: "venturus est et restituet omnia”, mas será desprezado e horrivelmente perseguido pelos próprios católicos, porque são esses os tem perdido o mundo pela incredulidade.

Os eleitos se unirão a ele e os maus católicos formarão contra ele uma liga juntamente com os reis apóstatas” [6].

“Não há dia nem hora. Quando ninguém, nem sequer os carmelitas, o aguardarão, nem acreditarão nele” [7]. 

Apesar de tudo, muitos católicos o desprezarão, até mesmo no Carmelo

“Não aguardeis da política outra coisa senão enganos e traições. A restauração não virá daqui: virá do Céu, e nos será trazida por homens que vestidos de uma tosca túnica de pano, anunciarão ao mundo penitência” [8]. 

Fica claro de onde devemos esperar essa restauração
 
Clique aqui para ler mais sobre o Grande Castigo e o Reino de Maria


Santa Teresa de Jesus vê a vinda de um grande Santo Carmelita e de Apóstolos fervorosos


São Luís Maria Grignion de Montfort profetiza o Reino de Maria e os apóstolos dos últimos tempos

Beato Holzhauser profetiza a vinda do Papa Santo, do Grande Monarca, e do Grande General, que extirparão as heresias e o islamismo


Beato Palau profetiza "a mais encarniçada guerra", e a apostasia na ordem civil e espiritual

-----------------------

[1] “El Carmelo en 16 de julio de 1870”, El Ermitaño, Año III, n° 89, 21 de Julho de 1870
[2] “La guerra al imperio universal”, El Ermitaño, Nº 102, 20-10-1870 
[3] El Ermitaño, Año IV, n° 113, 5 de Janeiro de 1871
[4] “Cálculos del Ermitaño”, El Ermitaño, Nº 163, 21-12-1871 
[5] “El Carmelo”, El Ermitaño, Nº 154, 19-10-1871
[6] “El Carmelo en 16 de julio de 1870”, El Ermitaño, Año III, n° 89, 21 de Julho de 1870
[7] “Tres días de tinieblas”, El Ermitaño, Nº 119, 16-2-1871
[8] “La Restauración”, El Ermitaño, Nº 141, 20-7-1871