É possível determinar uma data limite mínima para o fim do mundo?

A Beata Margarida de Saboia, abadessa, foi testemunha
Margarida de Sabóia
recebeu revelação privada de
que 450 depois haveria uma
aparição de Nossa Senhora
do Rosário em Fátima
Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

Anterior deste capítulo:Sobre a influência de fatores sociais e psicológicos em interpretações sobre o futuro e profecias. Estamos isentos disso?

Outros artigos de interesse: Doutrina católica sobre as revelações públicas e particulares (parte útil para a interpretação das mesmas)

Aparição e profecias em Fátima foram previstas cinco séculos antes

Clique aqui para ver mais sobre profecias antigas


Extraído de: "O Príncipe dos Cruzados (Vol. I, parte I, 3a edição, Cap. I)".

Avaliemos agora se é possível colocar um limite mínimo de data para o fim do mundo, ou seja, se é possível dizer que o mundo não durará menos que x tempo.

Alguns, não crendo na vinda de um largo tempo precedente ao tempo do Anticristo, podem dizer que é impossível tratar de limite mínimo para o fim do mundo, pois o tempo quando Nosso Senhor Jesus Cristo virá para julgar os vivos e os mortos é indeterminado.

Afirmamos várias vezes neste volume que não é de nosso foco tratar da vinda do Anticristo e do fim do mundo, e sim falar, na medida do possível, do tempo que precede essas coisas.

Assim, introduzimos o assunto com uma simples relação.


Se este artigo sustentar que o fim do mundo não virá para daqui a 30 segundos, quando leitor terminar a leitura, este artigo "será profeta" pelo menos uma vez. Entretanto, como é de fé que o mundo um dia acaba, não podemos sustentar sempre essa tese.

Alguém dirá que sustentar a vinda de um tempo largo precedente ao fim do mundo não é o mesmo que sustentar que o fim do mundo não virá em 30 segundos. Portanto, citaremos as profecias que veremos em detalhe no capítulo V, assim como a doutrina essencial já vista neste capítulo.

Profecias certeiras que colocaram limite mínimo para o fim do mundo

Nossa Senhora do Bom Sucesso: no século XVII, disse que
"no século XX quase não haverá mais virgens", ou seja, o mundo duraria no mínimo até o século XX (mais ou menos 250 anos após a profecia).

Nossa Senhora de Fátima: falou sobre uma luz que seria o sinal de que Deus castigaria o mundo. Lúcia, uma das videntes da aparição, disse que isso se confirmou na aurora boreal pouco antes da segunda grande guerra, que veio 30 anos após as aparições em Fátima, ou seja, Nossa Senhora colocou um mínimo de 30 anos para o fim do mundo.

Profecias relacionadas a Nossa Senhora de Fátima: algumas profecias relacionadas às aparições em Fátima, que veremos no começo do capítulo V, corroboram o desígnio do Altíssimo de que Sua Mãe Santíssima devia aparecer aos pastorinhos em 1917, pois falam de uma aparição em Fátima no futuro, isto é, essas profecias, feitas mais de 450 anos antes, colocam esse limite mínimo para o mundo acabar e, podemos dizer, colocam até mais, pois Nossa Senhora em Fátima, como dito no último parágrafo, também falou que o mundo duraria mais 30 anos, quando falou da aurora boreal.

A Doutrina comum dos Padres da Igreja diz qual é o limite mínimo para o fim do mundo


Comumente, os teólogos que tratam do fim dos tempos colocam os seguintes sinais prévios para a vinda do fim do mundo, como já vimos:

1. Aparição e pregação dos santos Elias e Enoch.
2. Pregação do Evangelho por toda a terra.
3. Apostasia universal.
4. Vinda do
Anticristo.

Alguns ajuntam outros sinais prévios, mas comumente estes são cridos por todos.

Todos estes eventos indicam um limite mínimo de data, embora não definida, ao mesmo tempo que não afirmam uma eternidade terrena.

Impossibilidade atual em definir quem é o
Anticristo, e necessidade da análise do conjunto das profecias privadas, que é a ação do Espírito Santo na Igreja

Acreditamos, como veremos no capítulo II citando ao Pe. Antônio Vieira, que é impossível reconhecer "o Anticristo" hoje. Se muitos eram os "
Anticristos" na época do sacerdote jesuíta do século XVII, muito mais "Anticristos" existem atualmente. Numa visão bem otimista, são tantos "Anticristos" hoje, quanto na época do Pe. Vieira.

Ademais, Nossa Senhora de Salette falou que os "novos reis que serão o braço direito da Igreja". Apesar de ninguém deixar de ser católico por não crer em uma revelação privada, um católico não pode negar o conjunto das profecias, porque equivale a negar a ação do Espírito Santo na Igreja. Provar que o conjunto das profecias não são discordantes, mas concordam sobre o que disse Nossa Senhora de Salette, e tantas outras profecias sobre os tempos vindouros, é o que tentamos fazer aqui, de modo análogo a tantos outros. Tratamos das revelações privadas no capítulo V.

Conclusão

Nenhum trabalho sério sobre fim dos tempos pode ignorar o conjunto das profecias privadas que foram feitas por pessoas em odor de santidade, ou que tiveram aprovações da Santa Igreja. Afinal, negar a análise do conjunto das profecias em um estudo sobre escatologia é negar, na prática, a ação do Espírito Santo sobre a Igreja.

Já sobre o limite mínimo de data para o fim do mundo, podemos fazer as seguintes afirmações:


Não há data limite mínima expressa na doutrina católica sobre o fim do mundo, mas há sinais prévios.

Hipotetizar datas limites mínimas para o fim do mundo, enquanto dentro do contexto da escatologia que a Igreja obriga a crer, não é um erro, uma vez que profecias do passado já sustentaram isso ao profetizarem que algo ocorreria no futuro, e tiveram a aprovação da Igreja para revelações privadas, que diz: "não há nada nessa revelação contra a doutrina católica".



Salvo melhor juízo da Santa Igreja, cremos que essas afirmações estão corretas.



Próximo capítulo: Cap. II. Teologia da história sobre tempos futuros