Nossa Senhora do Bom Sucesso profetiza a crise na Igreja "calando-se quem deveria falar", o desprezo pela extrema unção e Eucaristia

Nossa Senhora do Bom Sucesso, rogai por nós!
 

Para entender alguns conceitos aqui expostos, sugerimos a leitura prévia:

A Teologia da História prova a vinda do Reino de Maria, por Plinio Corrêa de Oliveira em 1971

A vinda do Reino de Maria provada por Teologia da História, segundo o Pe. Antonio Vieira 

"quase não haverá virgens": Nossa Senhora do Bom Sucesso profetiza a impureza no mundo, laicismo e a restauração com o Papa Santo

 
Clique aqui para ler mais sobre o Castigo Mundial e Reino de Maria. 


Do livro "O Príncipe dos Cruzados (Vol. I, parte I, 3a edição, Cap. V)".

A aparição de Nossa Senhora do Bom Sucesso é aprovada pela Igreja, e suas profecias foram dadas a Madre Mariana de Jesus Torres (nascida em 1564). Além das comentadas aqui, outras também previram a proclamação do dogma da Assunção e da Imaculada Conceição, a Consagração do Equador ao Sagrado Coração de Jesus pelo presidente Gabriel Garcia Moreno, a independência do Equador, e a vinda do Santo Cura D'Ars.

Essas profecias são as que se referem ao século XX, explicitamente mencionado por Nossa Senhora.


Negritos nossos.
 
"...Extravasarão as paixões e haverá total corrupção dos costumes por quase reinar satanás .... , o qual visará principalmente a infância a fim de manter com isto a corrupção geral. Ai dos meninos desse tempo! Dificilmente receberão o Sacramento do Batismo e o da Confirmação" (II, 5).

Nossa Senhora do Bom Sucesso fala de seita, o que naquele contexto representa as heresias e seitas em geral.
 
"É vontade de Deus reservar esta invocação e tua vida para aquele século, quando a corrupção de costumes será quase geral e a luz preciosa da Fé estará quase extinta" (II, 193)

"O meu culto sob a consoladora invocação do Bom Sucesso .... será a sustentação e salvaguarda da Fé na quase total corrupção do século XX" (II, 190).

Nossa Senhora profetiza a crise da Igreja no século XX, e dá a solução para guardar a fé

"Quase não se encontrará a inocência nas crianças nem pudor nas mulheres, e nessa suprema necessidade da Igreja, calar-se-á aquele a quem competia a tempo falar" (II, 7).

2 de fevereiro de 1610:"Campearão vícios de impureza, a blasfêmia e o sacrilégio naquele tempo de depravada desolação, calando-se quem deveria falar" (II, 17).

"Tempos funestos sobrevirão, nos quais .... aqueles que deveriam defender em justiça os direitos da Igreja, sem temor servil nem respeito humano, darão as mãos aos inimigos da Igreja para fazer o que estes quiserem" (II, 98).

A crise na Igreja prevista por Nossa Senhora, quando se calam aqueles que deveriam falar

"Nesse tempo o Sacramento da Extrema Unção, posto que faltará nesta pobre Pátria o espírito cristão, será pouco considerado. Muitas pessoas morrerão sem recebê-lo por descuido das famílias...(II, 7).

A Extrema Unção será desprezada, nos lembra as mudanças trazidas depois de 1965 nesse sacramento

"O mesmo sucederá com a Sagrada Comunhão. Mas, ai! quanto sinto ao te manifestar que haverá muitos e enormes sacrilégios públicos e também ocultos de profanação da Sagrada Eucaristia. .... Meu Filho Santíssimo ver-Se-á jogado ao chão e pisoteado por pés imundos".(II, 7) [1].


A Sagrada Comunhão desprezada também. Nos lembra a comunhão na mão, em duas espécies, as "ministras", tudo tão em voga atualmente

------------------------
[1] Revista Catolicismo - Plinio Maria Solimeo - Fev. 1998 - http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?IDmat=3D2D1156-3048-560B-1C531E71F3F0BCA0&mes=Fevereiro1998&pag=2. Fontes consultadas pela matéria: Madera para Esculpir la Imagen de una Santa, Mons. Dr. Luis E. Cadena y Almeida, Foundation for a Christian Civilization, NY, 1987, e Enquête sur les Apparitions de La Vierge, Yves Chiron, Librairie Académique Perrin/Mame, Saint-Amand-Montrond (França) 1995, pp. 103 e ss.­ E também "Vida Admirable de la Rda. Madre Mariana de Jesús Torres", española y una de las fundadoras del Monasterio real de La Limpia Concepción en la Ciudad de Quito, escrita em torno de 1790 por Frei Manuel Sousa Pereira, O.F.M., em dois tomos. O autor, para escrever essa biografia, teve em suas mãos o Cuadernón, ainda não desaparecido, e muitos outros documentos fidedignos. Nas citações, o número romano refere-se ao Tomo, e o arábico, à página.