Escapulário Verde para converter as almas e curar através do Imaculado Coração. História, sentido místico e condições para ter as graças

Frente e verso do escapulário verde, com os dizeres da oração própria dele (em espanhol na imagem): "Coração Imaculado de Maria, rogai por nós, agora e na hora de nossa morte".
O Escapulário Verde, aprovado pela Igreja, foi revelado pelo Imaculado Coração de Maria à Irmã Justina Bisqueyburu, religiosa das Irmãs da Caridade de S. Vicente de Paulo. O Papa Pio IX, vigário de Cristo na terra, o abençoou e aprovou em 1863 e 1870 [1].

O escapulário verde não pertence ou faz pertencer a uma ordem religiosa ou confraria específica, portanto, nenhuma investidura é necessária, bastando a bênção de um padre.

Breve história do escapulário

A irmã Justina Bisqueyburu nasceu no sul da França, e entrou no noviciado de Paris em 27 de novembro de 1839. A revelação do escapulário veio no dia 8 de Setembro de 1840, festa da Natividade de Maria Santíssima, após sucessivas aparições para a irmã, nas quais Nossa Senhora nada dizia, mas aparecia como está na imagem do escapulário. Na revelação, Nossa Senhora apareceu como antes, só que segurando na mão esquerda o escapulário e na direita seu Coração Imaculado, e a irmã ouviu uma voz interior dizendo que a Virgem Maria queria que o escapulário fosse propagado largamente como instrumento pela conversão das almas.

Após receber a revelação, a irmã passou por provações, e só depois de muita investigação e discernimento o bispo local aprovou as aparições e permitiu a divulgação deste sacramental. Nossa Senhora, por sua vez, não foi clara a respeito dos aspectos desta nova devoção. Então foi resolvido que a irmã Justina deveria perguntar para a própria Virgem Santíssima a vontade de Deus nisso. Obteve resposta através de uma aparição exatamente seis anos depois, 8 de Setembro de 1846 (Mesmo ano da aparição de Nossa Senhora em La Salette), festa da Natividade da Virgem Santíssima.

Nossa Senhora respondeu que esse escapulário não é como os outros, mas consiste meramente em duas imagens sagradas em um único pedaço retangular de pano. Portanto, nenhuma fórmula especial é necessária para abençoar ou possibilitar seu uso. Basta que seja bento por um padre e utilizado por aquele que necessita do benefício da intercessão de Nossa Senhora. Se, por outro lado, a pessoa não é capaz ou não quer usar ou carregá-lo, o escapulário pode ser escondido nas suas roupas, pertences, quarto, cama, etc.

Sentido místico, características e benefícios

O escapulário é verde, cor da esperança, porque este sacramental tem maior eficácia na obtenção de curas e conversões, até mesmo nas consideradas impossíveis.

Nele se vê a frase: “Coração Imaculado de Maria, rogai por nós, agora e na hora de nossa morte”. Tal devoção ao Sapientíssimo e Imaculado Coração de Maria é muito enfatizada por Nossa Senhora nas grandes aparições, como em Fátima, onde ela deu uma grande esperança, para que possamos ter confiança: “Por fim meu Imaculado Coração Triunfará !”. Naquela ocasião, Nossa Senhora tentava acabar com os pecados das nações, as ameaçando com grandes castigos se não se convertessem, e pedindo que rezássemos o rosário diário para o mundo obter paz. Com o escapulário verde, Nossa Senhora tenta acabar com os pecados particulares, nos recomendando que exercemos a virtude da esperança, e pedindo que sejamos devotos do Imaculado Coração de Maria para a conversão dos homens.

Este sacramental consiste em um simples pedaço de pano verde, retangular, com ou sem cordão. É assim por causa da utilidade nisso quando se quer converter até mesmo aqueles que não o querem carregar, possibilitando melhor que ele seja escondido nos pertences, roupas, quarto ou casa do impenitente, como Nossa Senhora estipulou.

Em um lado a imagem da Virgem Maria vestida com uma túnica chegando até os seus pés. Em cima, um manto azul. No entanto, ela não usa véu algum. Ao invés disso, seu cabelo recai livremente sobre ela, e suas mãos seguram o Coração Imaculado, de onde saem raios abundantes. Esta imagem mostra a liberalidade da Mãe de Deus em conceder as graças. Se víssemos Nossa Senhora com véu ficaríamos maravilhados e muito desejosos do céu, quanto mais se víssemos ela com cabelos soltos, porque se ela faz brilhar o véu, é por causa que seu corpo Imaculado brilha, incluindo seu cabelo, véu natural da mulher segundo São Paulo Apóstolo.

No outro lado do escapulário se vê uma figura do Imaculado Coração, da onde sai raios, atravessado pela espada, com a chama do amor ardente por Deus em cima e uma cruz de ouro. Em volta do Coração de Maria, a oração própria do sacramental: “Coração Imaculado de Maria, rogai por nós, agora e na hora de nossa morte”.

Condições para receber os benefícios deste Escapulário 

1 - Carregar o escapulário verde devidamente benzido por qualquer Sacerdote (bênção simples)
2 - Rezar, pelo menos uma vez por dia, a oração: "Coração Imaculado de Maria, rogai por nós, agora e na hora de nossa morte".
3 - Para obter os benefícios por doentes ou pecadores impenitentes, que não o aceitem, ou não queiram ou não possam rezar a oração, podemos deixá-lo em sua casa, esconder em seus pertences, quarto, cama, etc. Neste caso, a pessoa ou uma outra precisa rezar a mesma oração ao Coração Imaculado de Maria.

Abaixo, um áudio de uma aula, tirado do youtube, do líder intelectual católico Dr.Plinio Corrêa de Oliveira, falando sobre a importância da devoção ao Imaculado Coração de Maria, base do escapulário verde:


Veja mais:

Vidas de Santos: davam bênçãos mesmo sendo leigos, as pessoas ajoelhavam-se diante deles e osculavam-lhes os pés

Considerados santos ainda em vida e venerados assim por outros santos, que os incluíam na ladainha dos santos e guardavam suas relíquias

O grande chamado da vocação. Doutrina católica e santos fugidos de casa, rompidos com a família, inimigos dela

Vida de Santos: Declaravam a sua missão como santa ou profética, ou mesmo se diziam predestinados

Clique aqui para ver mais Leituras Místicas

---------------------------------------
[1] Ann Ball, 2003 Encyclopedia of Catholic Devotions and Practices, page 217