Nosso Senhor diz que aqueles dias serão como foram nos dias de Noé. Exegese.

Coração de Jesus, tende piedade de nós!


Extraído de: "O Príncipe dos Cruzados (Vol. I, parte I, 3a edição, Cap. IV)".

Outros de interesse:


Hipótese Teológica da divisão das Eras da Igreja. Apreciação das divisões de S. Agostinho, S. Boaventura e outros

Escritura e os Doutores da Igreja dizem que Elias e Enoch virão no fim dos tempos na época do Anti-Cristo (parte 1)


Hipótese teológica da vinda no fim do mundo de S.João Evangelista ressurrecto, pela Escritura e os Doutores da Igreja

As lamentações do profeta Jeremias falam da crise da Igreja. Comentários de Plinio Corrêa de Oliveira

Exegese sobre Noé e o Dilúvio como prefiguras do Castigo Mundial ou Bagarre. Subtítulos nossos e texto Sagrado em negrito. Comentários sem negrito depois.

Antes do Dilúvio ou Castigo

 
"Porque assim como nos dias antes do dilúvio (os homens) estavam comendo, bebendo, casando-se e casando seus filhos, até ao dia em que Noé entrou na arca; e não souberam nada até que veio o dilúvio, e os levou a todos; assim será também na vinda do Filho do Homem" S. Mateus XXIV, 38-39

Aqui distinguimos duas coisas: a afeição pelas coisas materiais e o desconhecimento do fim dos tempos. Como a profecia de Nosso Senhor é por excelência a profecia mais perfeita, pois pertence ao livro inspirado por excelência e vem do homem por excelência (o homem Deus), pelo princípio da beleza enunciado no capítulo I, ela deve conter mais do que uma relação unívoca profética, ou seja, simbolizar mais de uma época ao mesmo tempo. Portanto, tratamos "aqueles dias", na ordem das coisas que nos são próximos, como os dias de trevas já tratados em capítulos precedentes, pois as guerras e os rumores de guerras já estarão presentes, como Nosso Senhor afirma antes no mesmo capítulo do Evangelho. A afeição pelas coisas materiais, simbolizada pelo "comendo, bebendo, casando-se", entendemos como o materialismo como nunca igual houve na terra, com a luxúria completamente espalhada pela terra.

"Como sucedeu também no tempo de Lot; comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas, no dia em que Lot saiu de Sodoma, caiu fogo e enxofre do céu, que exterminou a todos. Assim será no dia em que manifestará o Filho do homem." S. Lucas, XVII, 28-29


Esse versículo parece fazer um paralelo Sodoma e Gomorra, cidades destruídas pela luxúria, com o tempo que interpretamos, o qual é análogo.

Sobre Noé


A harmonia numérica presente na citação na figura de Noé se explica assim: Noé foi o décimo descendente de Adão, o que parece aludir às 10 pragas, que por sua vez representam os dez maiores castigos ao mundo de Moisés até o Anti-Cristo, conforme falamos no capítulo III. Reforça essa análise da harmonia numérica o fato de que Enoch, o sétimo descendente de Adão, foi arrebatado para o paraíso terrestre, mas voltará na última Era prévia ao fim do mundo, a Era do Anti-Cristo, que é a sétima, conforme dito no capítulo III.

Lamec profetiza o destino de Noé em Gn V, 29: "este nos consolará nos trabalhos e nas fadigas das nossas mãos, neste terra que o Senhor amaldiçoou". Consolará nas coisas boas que fizemos, isto é, os trabalhos, e nas coisas más, isto é, as fadigas. Separação do joio do trigo. Esta terra amaldiçoada significa a terra com o pecado original, e também uma alusão às profecias de Enoch na epístola de São Judas Tadeu. Dentro dessa dimensão interpretativa em que estamos, esse gesto de Lamec é um paralelo a uma geração anterior que anunciará a missão de um "novo Noé", o que se confirma pelos tantos profetas católicos que falaram da vinda de apóstolos restauradores. Também se harmoniza numericamente com isso o fato de Noé ter tido três filhos, e serem três os apóstolos restauradores.

Outro paralelo interessante é o fato de que Noé com 500 anos gerou os filhos que haveria de salvar. Ora,
na dimensão interpretativa em que estamos aplicando exegese isso se harmoniza, pois falamos da quinta Era, significada pelo número mais destacado na idade de Noé. A quinta Era, como temos argumentado, precede o grande Castigo que cairá sobre a terra. Noé gera três filhos, assim como três são as testemunhas prediletas nos tempos próximos, como temos dito. Na época de Nosso Senhor eram três os apóstolos preferidos: os santos Pedro, Tiago e João. Esses testemunharam a transfiguração do Senhor, ou seja, a prova de que Ele era Deus e tinha poder sobre os vivos e os mortos (como diz S. Tomás), e por isso na transfiguração juntou a si Moisés, que havia morrido, e Elias, que tinha sido arrebatado ao paraíso terrestre, onde vivia. No dilúvio esse poder também foi mostrado, e no Castigo também o será.

Como temos argumentado desde o capítulo II, acreditamos que os três apóstolos serão o Papa Santo, o Grande Monarca e aquele que simbolizará a prefigura de S. João Apóstolo, pois terá o poder de interpretar os acontecimentos e ser testemunha do Papa Santo. No fim dos tempos serão três as testemunhas principais também: S. Elias, que voltará, S. Enoch, que também voltará do paraíso terrestre, e o próprio S. João Apóstolo, segundo muitos sustentam e o capítulo final de seu Evangelho parece indicar, embora crie mistério. A volta de S. João também é sustentada por alguns pois esse teve a visão do apocalipse, isto é, viu tudo os maiores lances da história até o fim dos tempos e, portanto, deverá sagrar S. Elias e S. Enoch como bispos, de maneira a não permitir que a linhagem apostólica acabe (ainda que bastasse sobrar S. João unicamente como Bispo, pois Nosso Senhor pode Se deslocar ao lugar em que estão e sagrá-los).


Em Gen VI vemos a concupiscência entre os homens, pois viam que as mulheres eram formosas: estas eram as filhas dos homens, isto é, as mulheres da linhagem de Caim, que representa a cidade dos homens, ao contrário de Set, representante da Cidade de Deus conforme Santo Agostinho (Cidade de Deus, Livro XV, Cap. 23). Esse mesmo Santo acrescenta que os gigantes que existiam antes dessa mistura, como a Escritura diz, quer dizer gigantes de belo porte e grandes. Essa formosura simboliza as grandes técnicas e conquistas que fazem o homem parecer gigante, porque o Santo Doutor sustenta que nem todos eram enormes. Na nossa sociedade prévia ao Castigo nem todos são altos ou belos também, mas há muitos prédios altos, veículos altos, isto é, as proporções são sempre gigantescas, dando a impressão de ser uma sociedade de gigantes, exatamente como a Sagrada Escritura diz. Santo Agostinho comenta no capítulo seguinte da mesma obra que os cento e vinte anos de vida do homem (em Gn VI, 3) foi o tempo que Deus estipulou até o dilúvio. Curiosamente, hoje quase ninguém chega a essa idade, ou seja, possui mais ou menos um sentido literalmente também.

Então, Deus diz para Noé guardar tudo que se possa comer, e colocar na Arca um casal de cada espécie. Aqui nos parece um paralelo com a nova Arca, pois tudo o que haverá anteriormente ainda restará, mas de uma maneira restaurada.


Por fim, ressaltamos que com 600 anos Noé entra na Arca, isto é, uma harmonia com o número 6, pois também o castigo, que faz parte da restauração, vem na sexta idade, simbolizada pelo número mais destacado do número 600. Outras interpretações com os números podem ser feitas: os quarenta dias de dilúvio podem simbolizar quarenta dias de Castigo propriamente, ou o tempo em que a Igreja, representada pela Arca, navega em um mundo em turbulência que é de ordem natural, ou o tempo em que a Igreja, representada pelo Santo Padre, não tem lugar fixo, como algumas profecias falam, conforme visto no capítulo V. Os cento e cinquenta dias, nos quais se encontram os quarenta mais perigosos, serão os dias das águas ainda presentes (ou seja, o castigo que ainda se faz sentir), mas não mais tão bravas, isto é, castigadoras.

Passado esse tempo, a presença das águas pode representar a guerra mundial ou os seus efeitos, mas quando aparece o cume de um monte, o Ararat, a Arca/Igreja pára ali, pois assim como os céus, que está no alto, é vitorioso sob o inferno, que está embaixo, a Igreja vencerá quando baixem as águas do Castigo, pois nesse momento a Arca, fora da qual não há salvação, estará no cume do monte Ararat.

Reforça essa interpretação Gn VIII que fala da aparição dos cumes dos montes no décimo mês, e da fixação da Arca/Igreja no monte Ararat 33 dias antes. Isso nos parece uma clara alusão à história da salvação: o povo de Deus antes era peregrino no mundo, como a Arca o era nas águas, e quando se fixa, fixa-se no alto, como a cruz de Cristo. Além disso, os outros cumes, simbolizados por santos de grande elevação e santidade que avistam a Arca, ou Nosso Senhor, só aparecem 33 dias depois, símbolo dos 33 anos de Cristo. Assim, na idade perfeita de Nosso Senhor, paralelo numérico com a Era da plenitude da Civilização Cristã, aparecem os cumes dos montes, isto é, os cumes de santidades.

Então, quarenta dias depois Noé solta um corvo ao mundo. Esse não volta até a secura das águas, o que pode simbolizar a morte, que não pára de rondar o mundo até o fim completo da guerra. Ou pode simbolizar ainda outro castigo causador de mortes. E a pomba solta que o segue simboliza o Espírito Santo que emana da Igreja e volta, sem nunca sair, pois havia um par de pombas na Arca.

As três saídas da pomba representam o começo de uma Era: a primeira saída, a Era antiga que culminava na sexta com a vinda de Nosso Senhor. A segunda saída, feita após 7 dias ou 7 Eras, o começo da segunda grande Era, a Era Cristã que o Salvador abre, e que tem em si outras 7 eras representadas pelos outros 7 dias de espera até soltar a pomba que não mais retorna pois esse não retorno representa, nessa interpretação, o fim do ciclo das Eras. Harmoniza-se com isso o fato da pomba, na segunda volta, trazer o ramo de oliveira, símbolo da paixão de Nosso Senhor. No entanto, não sabemos dizer o que essas saídas simbolizam na dimensão interpretativa dos acontecimentos do Castigo mundial e da restauração.


CLIQUE AQUI PARA VER MAIS: Profecias Católicas