Teoria do simbolismo-prefigurador da época de Cristo: o simbolismo do contexto da pregação Divina como prefigura de mudanças

Caverna em Qumran, onde foram encontrados
os Manuscritos do Mar Morto aludidos aqui
Extraído de: "O Príncipe dos Cruzados" (Vol.1 Parte 1, Cap, III, 3a edição)

Para entender melhor este artigo, sugerimos a leitura prévia dos seguintes: 

A Ordem Carmelita tem origem profética pré-cristã com Santo Elias. Provam isso os Santos, os Papas, historiadores e a Escritura

Hipótese Teológica da divisão das Eras da Igreja, em parte segundo S. Agostinho e S. Boaventura

Escritura e os Doutores da Igreja dizem que Elias e Enoch virão no fim dos tempos na época do Anti-Cristo (parte 1)

Mais artigos sobre profecias Católicas

Aqui apresentamos nossa Teoria do simbolismo-prefigurador da época de Cristo, embora sua semente já estivesse neste volume, isto é, nas diversas partes onde falamos de fatos e contextos da época de Nosso Senhor Jesus Cristo como chaves simbólicas ao entendimento de coisas profetizadas pelos santos e beatos da Igreja.

Sendo este um incremento da segunda Edição, três anos após a primeira, é preciso notar que lembramos termos tido algum vislumbre desta Teoria, mas o contexto mundial e outros contextos em que vivíamos não nos deixou vislumbrar que assim deveria ser. Se fôssemos melhores, mais devotos de Nossa Senhora e portanto mais acima das circunstâncias vividas, talvez teríamos já naquele tempo percebido e escrito mesmo parecendo inverossímil, como aqui algumas coisas que sustentaremos sobre o contexto mundial, como corolários da Teoria, ainda podem parecer inverossímeis, mas não tanto como há três anos.  

Passado este tempo, era natural que a providência nos desse a graça (assim cremos e agradecemos) de elaborar esta Teoria, pois ficou mais claro pelo contexto mundial, e também por outros contextos dos quais trataremos, como esta Teoria se aplica. 

Os próximos dois sub-tópicos são adendos da 3a edição.

Manuscritos do Mar Morto confirmam algumas visões da Beata Anne Catherine Emmerich

Em um livro sobre a vida da Virgem Maria, algumas visões da Beata Emmerich mostram a íntima relação entre os essênios, a Sagrada Família e parentes próximos. Uma vez que os essênios possuíam tantos rituais semelhantes aos que S. João Batista usava, como o ritual da água, que é semelhante ao batismo (como veremos abaixo), os documentos de Qumrán, a maior descoberta arqueológica do século XX, parecem confirmar essas visões, embora a beata não fale de uma apostasia interna, como veremos.

Os Manuscritos do Mar Morto confirmam a Bíblia Católica que os protestantes rejeitam

"Também descobertas entre os Manuscritos do Mar Morto [MMM], que incluíam todos os livros do Antigo Testamento em parte ou cópias integrais, comentários na Sagrada Escritura, e documentos seculares relativos à comunidade, estavam as traduções da Septuaginta grega que incluíam cópias de livros do Antigo Testamento incluídas nas Bíblias Católicas atuais. Diversas cópias da Septuaginta, encontradas dentre os MMM em manuscritos de couro, datam do 2o século A. C. até o começo do 1o século D.C., enquanto outras cópias recentes encontradas em fragmentos de papyri datavam do 2o ou 3o século A.C. Os sete livros deutero-canônicos incluídos nas Bíblias Católicas, mas ausentes das protestantes e judaicas estavam entre os manuscritos descobertos (The Meaning of the Dead Sea Scrolls, James VanderKam and Peter Flint, Harper-San Francisco, 2002, pg 97). 

Com a descoberta dos MMM e o encontro das cópias dos textos deutero-canônicos, certos proeminentes estudiosos bíblicos protestantes entenderam que esses textos não deveriam continuar excluídos canônes protestantes ou judaicos do Antigo Testamento. Dentre essa minoria de estudiosos protestantes do Evangelho que sustentavam uma reavaliação do lugar desses livros no cânone está Hartmut Gese, que corajosamente afirma que textos deutero-canônicos são essenciais para entender o Novo Testamento: "Não se pode, para dizer um exemplo, entender João 1 sem Eclesiástico 24"

(Alttestamentliche Studien, H. Gese (Tübingcn, 1991) p. 27, citado por Martin Hengel em The Septuagint as Christian Scripture. Its Prehistory and the Problem of its Canon, transl. Mark E. Biddle (Edinburgh & New York: T &T Clark, 2002), page 110 and Henri Blocher, "Helpful or Harmful? The Apocrypha and Evangelical Theology," European Journal of Theology 13.2 (2004): 81-90). Fonte: Michal Hunt, June 2007, http://www.agapebiblestudy.com/documents/Is%20the%20Catholic%20Old%20Testament%20Accurate.htm.


Resumo da Teoria

A Teoria do simbolismo-prefigurador da época de Cristo sustenta que o contexto político e religioso da época e Terra (Santa) de Nosso Senhor Jesus Cristo indica (pelos simbolismos de suas divisões, tensões e idéias envolvidas, etc) em que ponto deve estar o contexto mundial e religioso para que se saiba que este está na eminência da intervenção Divina, ou na plenitude dos tempos, isto é, da sexta Era Cristã, assim como Deus Nosso Senhor Jesus Cristo veio para começar a sexta Era antiga, da qual já tratamos antes nesse capítulo.

Também cremos que a teoria pode ser aplicada a grupos particulares nas condições que sustentamos mais abaixo.

Contexto religioso na época de Nosso Senhor

No tempo de Nosso Senhor Jesus Cristo, no campo religioso existiam três grupos, dos quais dois eram seitas, saduceus e fariseus, e o terceiro era o dos essênios, que não consideramos seita pelo sentido pejorativo que não se aplica a ele, como mostraremos.

Portanto, é importante enfatizar, desde já, o erro feito pelos que querem atribuir a esse grupo alguma espécie de esoterismo, gnosticismo e iniciação alheia à judaica. Isso mostraremos principalmente através dos Manuscritos de Qumrán, chamados também de Documentos do Mar Morto, os quais em maior parte são datados pelos estudiosos como do século I a.C.

Já dos saduceus e fariseus basta dizer que os primeiros possuíam o poder religioso e político, posições importantes na sociedade, sustentavam heresias (contra a ressurreição, por exemplo), e não tinham muita popularidade. Os fariseus não tinham os altos poderes, se opunham às heresias dos saduceus, e possuíam popularidade. Outros detalhes veremos ao longo da Teoria.

Aplicação da Teoria para o mundo católico atual

A Teoria sustenta que o mundo atual se divide através dos símbolos desses três grupos, logo, o mundo Católico se divide assim. 

Os saduceus simbolizam os mais radicalmente contra a Tradição, isto é, os progressistas

1 - O Sumo Sacerdote e muitos do sinédrio eram saduceus. Os progressismo domina o Papado, o poder de jurisdição dentro da Igreja, e os mais altos cargos. 

2 - Saduceus reinavam sob Israel, na aristocracia [1] e política [2]. O progressismo reina nessas esferas atualmente, seja de fato, seja porque os católicos nesses cargos costumam ser progressistas.

3 - Saduceus negavam hereticamente a ressurreição e os anjos (At 23:8), o que pode se entender no sentido de doutrina comum da Tradição no primeiro caso, e no segundo a própria Escritura Sagrada, que menciona os anjos claramente. O progressismo costuma sustentar heresias negando doutrinas da Tradição e algumas vezes a própria Escritura. 

4 - O Sumo Sacerdote, e provavelmente por mimetismo outros saduceus sacerdotes também, não usava mais os paramentos oficiais digno de seus cargos [3]. Assim também os sacerdotes progressistas costumam não usar as batinas, as vestes litúrgicas antigas, e o Papa cada vez mais abandona as vestes litúrgicas e não-litúrgicas papais. 

5 - Saduceus diziam se ater ao escrito na Lei negando coisas espirituais dando a entender um céu carnal (Mt 22:29-30), isto é, possuíam viés materialista. Os progressismo costumam ter um discurso materialista e social. 

6 - Saduceus negavam os anjos, a luta entre o bem e o mal. Os progressismo costuma relativizar tudo, negar a influência ou mesmo a existência dos anjos caídos, assim como menosprezam os anjos de Deus. 

- Saduceus aderiam às Escrituras sem a Tradição (normalmente a oral) e à justificação só pela pertença à prole de Abraão (Mt 3:9). Os progressistas nas suas doutrinas também se assemelham aos protestantes, os quais só aceitam a Escritura sem a Tradição e dizem que a salvação é fácil [4].

- Saduceus eram pró-helenismo, deixando-se influenciar pelo mundanismo e paganismo. O progressismo se aproxima ou mesmo apoia os costumes neo-pagãos a-católicos de hoje.

9 - Saduceus perseguiram e crucificaram Nosso Senhor Jesus Cristo e Seus apóstolos. O progressismo, com seus erros que levam à perdição das almas, perseguem e crucificam Nosso Senhor, o Corpo Místico da Igreja, e seus verdadeiros apóstolos que querem salvar as almas. 

10 - Saduceus juntaram-se aos supostos opositores, os fariseus, e aos romanos pagãos, para perseguir Nosso Senhor. Os progressistas se juntam e usam da má influência do mundo pagão e da falsa-direita farisaica para perseguir a verdadeira Igreja.   

Os fariseus são aqueles que aparentam dizer sempre a verdade, sejam os católicos falsa-direitas, sejam os conservadores

Também identificados com os escribas e doutores da lei (que eram fariseus em maioria), eles atraíam a opinião pública que, também naquela época, opunha-se aos erros dos saduceus. Nesse sentido S. Paulo se disse fariseu (At XXIII, 6). Vejamos suas características conforme bem descreveu Nosso Senhor Jesus Cristo (S. Mateus XXIII e S. Lucas XI, 37-53): elas simbolicamente se aplicam aos católicos fariseus atuais. Portanto, falaremos de "conservador" aqui no sentido farisaico, apesar da palavra em si não ter nada de mau, e poder ser aplicada a um bom católico, como fez S. Paulo, dizendo-se fariseu naquele contexto.

1 - Fariseus eram exibicionistas, "fazem todas as suas obras para serem vistos pelos homens". Os conservadores gostam de exibir seus objetos de piedade no corpo, de publicar textos longos nas redes sociais ou mil fotos de santos, coisas relativas à piedade e dos seus feitos nos seus perfis, sempre para atrair comentários, aprovações ou só mostrar que fazem algo.

2 - Fariseus, segundo denuncia Nosso Senhor, usurparam a "chave da ciência", que se refere à interpretação da Lei e ao ensino desta que eles queriam monopolizar. Hoje, os falsa-direitas em geral não tratam da lei e da ciência tiradas das Sagradas Escrituras, visto que não há como fazer concorrência com dois milênios de Papas, santos e teólogos interpretando e ensinando, de modo que costumam usurpar a "chave da ciência" posando de intelectuais, dando palestras, vendendo seus cursos, livros eivados de racionalismo filosófico ou exibicionismo de palavras rebuscadas, e muitas vezes comentando algo de espiritualidade e piedade no meio. No entanto, desses Nosso Senhor falou em passagem que está relacionada à "chave da ciência" (S. Lucas XI): "fechais o reino dos céus aos homens, pois nem vós entrais, nem deixais que entrem os que estão para entrar". Ou seja, por causa dos maus exemplos e idéias erradas, pretendendo ser intelectuais católicos ou com doses de catolicidade, não são nem uma coisa, nem outra, e afastam do reino dos céus "os que estão para entrar", que é a meta da falsa-direita.

3 - Fariseus devoravam a casa das viúvas, "a pretexto de longas orações". Os conservadores também costumam usar das senhoras de idade, e do povo em geral, para se enriquecerem, com pretexto de venda de artigos católicos, cursos, apostolado, bolsas de seminaristas, etc.

4 - Fariseus rodavam o "mar e a terra" para conseguir adeptos, mas uma vez que conseguiam, os faziam, pelo mau exemplo, "duas vezes mais filho da geena" que eles. Os falsa-direitas igualmente fazem mil grupos físicos, eventos, palestras, páginas e canais na internet, que vemos hoje surgir por todos os lados, e outros ainda fazem um esforço monetário enorme e rodam mar e terra por isso.

5 - Fariseus diziam que "se alguém jurar pelo templo, isso não é nada, mas o que jurar pelo ouro do templo, fica obrigado", que é uma crítica a quem deixa de ver o essencial em matéria litúrgica, para se ater ao acessório. Do mesmo modo os conservadores costumam se importar com a presença de baterias, danças, e outras coisas obviamente erradas, ou se importam com a ausência de coisas acessórias, mas desejáveis, como o canto gregoriano e paramentos dignos. Mas tudo isso em detrimento do cerne do problema litúrgico atual apontado pelos tradicionalistas: a missa favorecedora da heresia que cria problema de consciência. Como veremos, os essênios também criticavam o culto da época.

6 - Fariseus se preocupavam com o dízimo da hortelã, do endro, "de toda a casta de ervas", mas não com a "justiça, misericórdia, fidelidade", "a justiça e o amor de Deus". Os falsa-direitas e conservadores costumam, na prática, se preocupar com coisas pequenas, picuinhas, conversas fúteis ao vivo, pela internet e telefone, alimentam flertes ou bajuladores, o gosto por "fábulas" (Tm I, 4), detalhes alheios às coisas mais essenciais que o mundo precisa ouvir, como "a justiça", palavra repetida nos dois Evangelhos perfeitamente, visto que o mundo hoje brada aos céus por justiça.

7 - Fariseus limpavam o que estava fora do copo, mas por dentro estavam "cheios de rapina e imundície", isto é, hipocrisia em relação à prática das virtudes da pureza. Os conservadores de hoje se afastam ou muitas vezes criticam a imoralidade contemporânea, mas eles mesmos são imorais, cheios de olhares impuros, amizades impuras, palavras torpes. Alguns, por exemplo, enquanto não apoiam as vestimentas mais indecentes de hoje, apoiam as que ontem eram assim consideradas, o que é um dos vários exemplos desse tema que os encaixa perfeitamente na gradualidade da Revolução.  

8 - Fariseus eram sepulcros branqueados, "por fora pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e iniquidade", isto é, hipocrisia em relação à prática das virtudes da justiça. Os falsa-direitas e conservadores também são cheios de mentiras, avareza, cinismo, maldições, desrespeito, adulação, impiedade e desejo de vingança.

9 - Fariseus diziam admirar e venerar os profetas, mas os perseguiriam e matariam se tivessem vivido junto desses, segundo Nosso Senhor, e por isso se juntaram aos saduceus para tal, como foi o caso com Ele, o que prova que ao final, por causa da má vida, acabam indo contra Deus e a doutrina perfeita. Os falsa-direitas também elogiam santos e figuras que lutaram pela Igreja no passado, mas como são condenados pelas doutrinas que estes defendiam, fariam também perseguições. É notável como isso é aplicável especificamente ao grande líder católico Plinio Corrêa de Oliveira, que quase sempre não passa sem pelo menos um elogio na boca dos atuais fariseus hipócritas falsa-direitas, nos quais se percebe, muitas vezes de modo evidente, outras não, que lhe fariam oposição se estivesse vivo e com a influência anterior.

10 - Por fim, essa crítica aos fariseus, que vimos acima que tem caráter profético, serve como linha de raciocínio para a profecia Divina seguinte (S. Mateus XXIII, 37-39 e XXIV, 1-44) sobre a destruição de Jerusalém que persegue os profetas e o fim dos tempos. Estabelecido o atual farisaísmo, fica claro também que é para breve o fim de um tempo, isto é, como temos mostrado nesse volume, o castigo mundial e destruição deste farisaísmo, tal como Nosso Senhor profetizou a destruição daquele.

Os essênios simbolizam os católicos tradicionalistas, verdadeiros católicos

1 - Essênios se proclamavam os verdadeiros judeus. Eram conhecidos pela piedade na lei antiga, reconhecida pelos autores antigos, e presente na origem do nome, que em aramaico é "piedoso", e em hebraico, "fazedores", o que contrasta diretamente com os fariseus, conhecidos por serem hipócritas. Nenhum estudioso dos Manuscritos do Mar Morto nega as provas abundantes de que os autores diziam-se da verdadeira casa de Judá. Também os tradicionalistas dizem de si que são os verdadeiros católicos, por seguirem a verdadeira doutrina, enquanto não possuem a prática dos fariseus acima, caso contrário seriam falsa-direita.

2 - Os Essênios tinham Deus do seu lado, e assim também os tradicionalistas possuem Deus Nosso Senhor do seu lado, como todos os profetas precursores, o que se prova pela doutrina tradicional que sustentam, e quando tal doutrina está de acordo com uma vida virtuosa. Veremos também isto provado literalmente a seguir, com a relação de Nosso Senhor e S. João Batista com os essênios. 

3 - Essênios pregavam um batismo, nova aliança e vinda do Espírito Santo, tal como S. João Batista (S. Mateus III, 11), justificado por Nosso Senhor (S. Lucas VII, 30), que fez a Nova Aliança (S. Mateus XXVI, 28). Nos Manuscritos de Qumrán vemos o batismo ligado a uma aliança de sentido idêntico, que "é ilustrado pela concepção essênia da "lavagem ritual". "Entrar na aliança" era "entrar na água", (1QS 5:8, 13). De novo, "não se deixe uma pessoa entrar na água, usar a purificação dos homens santos, se não tiver se afastado de sua iniquidade" (1QS 5:13-14). Portanto, a comunidade pensava o seu batismo em relação aos pecados (...). Além disso, o lugar do Rio Jordão onde S. João Batista batizava, segundo a tradição, dista somente algumas horas a pé do Khirbet Qumrán" [5]. Em outros documentos vemos o Espírito Santo [6] e a Nova Aliança [7]. 

Também os tradicionalistas possuem um "batismo", uma aliança e falam da vinda do Espírito Santo, quando propagam a renovação dos votos de batismo através da Consagração a Jesus Cristo pelas mãos de Maria conforme S. Luís Grignion de Montfort estabeleceu, que é uma aliança com Maria Santíssima que será a base de uma civilização inspirada pelo Espírito Santo, conforme vimos no capítulo V. Inclusive alguns grupos tradicionalistas, como a TFP, colocam essa consagração como quase como necessária para a entrada de novos membros.

4 - Essênios eram carmelitas. O historiador antigo Flavio Josefo [8] aponta que existiam aqueles que não seguiam estritamente a vida ascética, possuindo esposa, o que foi confirmado pelos documentos de Qumrán [9], pois há um documento com regras para celibatários e outro para casados [10], o que seria a ordem terciária. Por isso não viviam isolados, pois segundo Flavio Josefo [11] estavam em diversas cidades, não em uma só, como deram a entender outros historiadores, embora se possa dizer que poderia haver uma predominância ou influência maior em uma ou outra, daí se explicaria as palavras de outros autores. Filo de Alexandria (Séc. I d.C) compara os que ele chama de therapeutae [12], de vida contemplativa, com os de vida ativa, os essênios (prova da divisão da comunidade), e como ambos usavam um calendário diferente (prova que eram ambos da mesma comunidade, como veremos a seguir) [13]. Além disso, achados de tecidos em Qumran indicam linho branco [14], provando o que disse Flavio Josefo sobre as roupas dos essênios serem brancas  [15], exatamente como a capa carmelita. Mas diretamente essa relação com a Ordem é feita desde o carmelita Philip Ribot no século XIV [16], pois só indiretamente a relação era feita, no século IV, com Eusébio de Cesaréia [17] e outros antigos como Santo Epifânio e Pseudo-Dionísio, que identificavam os therapeutae-essênios como monges cristãos. 

Os seguintes fatos reforçam tudo isso: o profeta Elias é o fundador dos Carmelitas, e S. João Batista, que veio no "espírito de Elias", era carmelita, como sustentamos no capítulo 1, o que indica mais uma relação com Nosso Senhor. Ademais, a Ordem Carmelita é a única ordem da Igreja que vive um espírito profético, o que harmoniza com os tantos Manuscritos sobre profecias e interpretações destas. Também os tradicionalistas, pelo menos em parte, são ou estão diretamente relacionados aos carmelitas, pois Plinio Corrêa de Oliveira, fundador da TFP, era prior carmelita, assim como seus discípulos.

5 - Essênios faziam resistência ao culto do Templo. A prova está em Flavio Josefo: "enviam oferendas ao Templo, mas não fazem sacrifícios, pois praticam outros meios de purificação. Por isso se afastam do recinto sagrado, para fazerem seus sacrifícios à parte" [18], Filo de Alexandria diz “Eles não sacrificam animais, mas procuram tornar suas mentes dignas de ser uma oblação santa" [19]. Os Manuscritos confirmam: "expiar pela culpa da transgressão e pecados de infidelidade, para que possam obter beneplácito para a terra sem a carne dos holocaustos e sem as gorduras do sacrifício" [20]. Por fim, prova a relação mostrada com S. João Batista, que sendo de linhagem sacerdotal preferia ficar no deserto a sacrificar no Templo. Note-se também que isso não prova que ele e os essênios sequer frequentavam o templo e a sinagoga, ou acreditavam que o templo já não prestava, como sugerem alguns autores. Antes, a presença de Nosso Senhor no templo e na sinagoga prova o contrário, sendo Ele relacionado com os Essênios pela relação com S. João Batista, como veremos. Os tradicionalistas também possuem resistências justas à nova missa de Paulo VI e aos hábitos litúrgicos modernos.

6 - Essênios tinham um Calendário diferente, o solar. Além das fontes clássicas, o último Manuscrito recuperado de Qumran mostra isso, embora já estivesse presente em outros: "Em contraste a este calendário de 364 dias, os fariseus e saduceus da época empregavam um calendário lunar, que às vezes colocava as festas judaicas em dias ligeiramente diferentes. Jim Sibley, professor no Colégio da Bíblia Batista de Israel, explicou que Jesus e seus discípulos podem ter operado segundo o calendário dos essênios durante a semana da crucifixão. Isto explicaria “a aparente discrepância” entre a versão de Jo 19:14, segundo a qual Jesus morreu no dia anterior à ceia da Páscoa judaica, e o relato dos demais Evangelhos, onde Cristo tomou a ceia da Páscoa na noite anterior" [21]. Esta percepção, no entanto, vem desde Annie Jaubert [22]. Recentemente, o italiano Enrico Mazza [23] ajuntou algumas provas a isto, mostrando que quando Nosso Senhor indicou aos Apóstolos para encontrarem um homem com um cântaro de água na entrada da Cidade (S. Marcos XIV, 12-17, S. Lucas XXII, 7-13), não o fez por acaso, visto ser difícil um homem fazer algo comum a uma mulher naquele tempo, mas não era raro um essênio fazê-lo pelo que se sabe do modelo de vida destes, e este essênio, pelas palavras do Salvador, já entenderia o pedido dos Apóstolos que falariam que "O Mestre diz...", pois Nosso Senhor já era Mestre conhecido na comunidade, que tanto O esperou. Agregamos ainda a isto as palavras de Flavio Josefo, que descrevendo os essênios, diz que os neófitos, que esperavam um ano para entrar na comunidade, já tinham "um cântaro de água" [24]Assim também os tradicionalistas empregam um calendário diferente, não só porque o novo calendário progressista possui falsos santos, desde supostos bons católicos até os que eram santos só para a Igreja cismática Russa, mas também porque frequentam uma liturgia tradicional, que funciona segundo um outro calendário.

7 - Essênios profetizavam a queda dos fariseus e saduceus. Os manuscritos de Qumran deixam isso claro [25], o que mais uma vez se harmoniza com o profeta S. João Batista, quando este condena os fariseus e saduceus (Mt 3:7), ou seja, condenam os outros dois grupos da época, e não os essênios, assim como Nosso Senhor, que os condenou e sofreu perseguição por isso. Também é próprio da Ordem Carmelita viver no espírito profético. Igualmente os tradicionalistas profetizam a queda dos progressistas e falsa-direitas, saduceus e fariseus de seu tempo, porque sabem que o Castigo Mundial e a Restauração é para breve, como mostramos nessa parte desse volume.

8 - Essênios faziam ação pública em defesa da verdadeira fé. Segundo Flavio Josefo, para eles "era preciso lutar pela justiça" [26]. Os Manuscritos também possuem um documento de Guerra e falam que muitas destas serão feitas contra os filhos da Trevas. Ademais, há muito tempo os Essênios foram relacionados com os Assideus, mencionados em 1 Mac. 2:42, "dos mais valentes em Israel, e todos zelosos pela lei". Esses Assideus foram os que, no seu tradicionalismo, junto aos Macabeus se revoltaram contra as perseguições e sincretismos religiosos feitos pelo Rei da Síria. A origem do nome é "piedoso", tal como a do nome "essênio". Isso nos conta um historiador frade carmelita do século XVII, Francisco de Santa María [27], que mostra também a relação dos carmelitas (e essênios) com as roupas brancas dos assideus (2 Mac 11:8), como a parte monástica não entra em choque com isso pois Elias Profeta também possuía uma missão na esfera temporal matando os falsos profetas, admoestando e ungindo Reis, etc. Assim também os tradicionalistas, pelo menos em parte, fazem ação pública em defesa da Igreja, a exemplo de Plinio Corrêa de Oliveira e sua TFP com suas campanhas, abaixo-assinados, etc.

9 - Essênios tinham o Professor da Retidão, que era Elias, o profeta. Somos talvez os primeiros a sustentar isso, visto a data dos Manuscritos que indica não poder ser alguém posterior como S. João Batista. Isso porque: a) Elias o profeta é o fundador da Ordem dos Carmelitas, os antigos Essênios, como vimos acima, e os Manuscritos falam que o Professor estabeleceu a congregação [28]. b) Ele não morreu e está no paraíso terrestre esperando o fim do mundo, como mostramos no capítulo I. Os manuscritos diz que ele voltou ao exílio [29]. c) Como visto acima, os Manuscritos falam de Batismo, Nova Aliança e Espírito Santo. Só um profeta ou alguém ensinado por um profeta podia falar assim antes de Nosso Senhor Jesus Cristo. d) O Professor da Retidão é citado como mais sábio que o profeta Habacuc, e que Deus o fez conhecer "todos os mistérios das palavras dos profetas", o que só se pode aplicar a um profeta bíblico. Os estudiosos em geral admitem essa sua superioridade sob os profetas [30]. e) O Professor da Retidão desapareceu e voltará segundo os Manuscritos [31], e não há consenso entre os estudiosos sobre o que se passou com ele. Ora, desaparecer misteriosamente é algo muito semelhante a Elias voltando ao paraíso terrestre, assim como voltar, o que ele fará no fim do mundo. f) A Ordem durará até o fim dos tempos, segundo os Manuscritos [32], o que se entende com seu fundador estando vivo até o fim dos tempos. g) Como fundador da comunidade, Elias não podia deixar de ser citado. h) Os essênios sabiam que, caso citassem o nome de Elias literalmente, alguém que encontrasse os documentos, em qualquer época, podia por ódio querer sumir com estes e perseguir a comunidade. Assim, os essênios não usaram o nome literal de Elias. Também porque falavam àqueles que entenderiam a relação, não a qualquer um. Talvez tenha sido o próprio Elias que mandou fazer assim e esconder estes manuscritos. 

Também os tradicionalistas, pelo menos em parte: i) Possuíam um profeta chefe que os guiava, o já citado carmelita Plinio Corrêa de Oliveira, fundador da TFP, do qual provamos ser profeta na parte 2 desse volume, e sobre o qual foram escritos livros. ii) Ele faleceu perto de uma nova Era do mundo que ele esperava, que é o Reino de Maria, como mostrado nos capítulos anteriores, à semelhança do Professor, que desapareceu às vésperas da Era do Messias esperado pelos judeus essênios. iii) Ele denunciava os problemas tanto da esfera civil, quanto da religiosa, assim como o Professor.

10 - Essênios esperavam a vinda de três apóstolos. Os Manuscritos falam claramente de uma espera "até que venha o profeta e os Messias de Aarão e Israel" [33], os quais se pode entender como um Sacerdote e um Rei, como entendem os estudiosos. O Sacerdote em algumas partes é mencionado como "intérprete da Lei" junto ao ramo de David que virá, "para salvar Israel" [34]. Em algumas partes lemos sobre um só Messias de Aarão e Israel [35], mas isso é porque as profecias dos essênios falavam de Nosso Senhor Jesus Cristo, Sacerdote, Rei e Profeta, e em outra dimensão interpretativa, dos três apóstolos, cada um com uma característica. Isso é algo comum em profecia, como na mistura do fim do mundo e queda de Jerusalém, feita por Nosso Senhor. Outros Manuscritos falam de um profeta como Moisés [36], o que harmoniza perfeitamente com que dizia o Beato Francisco Palau sobre a vinda de um "Moisés da Lei da Graça", vista no capítulo V. 

Também dentre os tradicionalistas que conhecem as profecias, espera-se a vinda de três apóstolos: o Papa Santo, o Grande Monarca e o Grande General que será o profeta, como vimos nos capítulos anteriores. Portanto, a descoberta desses Manuscritos nos anima ao robustecer nossas expectativas, confirmando também a suspeita de Plinio Corrêa de Oliveira, externada em 1969, sobre os Manuscritos conterem informação sobre eventos futuros relacionados ao Castigo [37]. Ainda sobre Dr. Plinio e sua TFP, é interessante notar como os Manuscritos atestam uma apostasia dentro dos essênios liderado pelo "homem da mentira" [38], o que igualmente ocorreu na TFP. Também notamos como os Essênios de Qumran esperavam para breve a volta do Professor da Retidão (Elias), equivalente simbólico ao Dr. Plinio, mas veio alguém no espírito do Professor (Elias): S. João Batista, e assim também é mais coerente dizer que em breve virá não Dr. Plinio, mas alguém no seu espírito, equivalente do profeta acima dito, junto do Rei e do Sacerdote, visto que Dr. Plinio já foi simbolicamente o S. João Batista, pois "preparou o caminho" do Reino de Maria.

Conclusão desta aplicação

Não cabe a objeção de que nem todo católico, ou grupo católico que se assemelha a um dos grupos acima citados possui todas as características acima descritas, já que essas meramente servem para categorizar uma pessoa ou grupo em uma das três divisões, ou seja, alguém pode ter aspectos de dois ou três dos grupos. Nessa teoria aplicada à esfera católica, o saduceu é definido pela adesão doutrinária e moral ao progressismo encabeçado pela atual hierarquia da Santa Igreja. O fariseu caracteriza-se pela recusa dessa adesão, ao mesmo tempo que recusa-se o tradicionalismo integralmente, ou seja, aceita-se alguns erros morais, mas também o fariseu recusa o tradicionalismo que discorda do progressismo. E esse vai além ao sustentar a doutrina tradicional e uma resistência à liturgia nova, que caracterizavam simbolicamente os essênios.

Portanto, esta análise prova com abundância como Deus deixou, de um modo misterioso, místico e muito belo, uma prova robusta de que quem segue o tradicionalismo, e especialmente aquele relacionado a Plinio Corrêa de Oliveira, está no caminho certo, tal como os essênios, enquanto não se possui os erros morais dos fariseus.

Por outro lado, podemos ver que Nosso Senhor se mantém profético e atual de um modo impressionante, pois sabendo que Ele falava também deste tempo, após nossa análise do sentido aplicado à atualidade, parece que Nosso Senhor destrincha toda atual má tendência daquele que busca ser católico verdadeiro, assim como os essênios eram judeus verdadeiros, e nos exorta a ser mais como essênios ou tradicionalistas, e menos como fariseus, o atual falsa-direita, ou saduceus, o atual progressista.

Aplicação da Teoria para o mundo inteiro

Além da esfera religiosa, na temporal se aplica esta divisão simbólica. Os progressistas se tornam os esquerdistas, os falsa-direitas continuam sendo os mesmos, e os tradicionalistas são eles mesmos, os quais estão, como os essênios, totalmente apartados de cargos públicos notórios ou influência na Igreja.

Reforça a Teoria o fato de que atualmente o esquerdismo está perdendo força, pois a opinião pública começa a apoiar o que ela chama de "direitistas" (que realmente possuem muitos aspectos bons, de direita): são os conservadores ou falsa-direitas, isto é, os fariseus. Portanto, chegamos ao ponto em que, igual ao tempo de Nosso Senhor, os fariseus passam a ter influência nas políticas dos saduceus, os quais não são amados pelo povo. Na atual conjuntura política mundial vemos isso, pois quando a esquerda está no poder, faz concessões às reivindicações da "direita", por medo da opinião pública, e o inverso também ocorre quando a direita está no poder, por outros motivos que quase sempre não englobam a opinião pública.

Não relacionada à divisão de grupos no mundo, mas encaixando-se na Teoria, é a consideração de que Nosso Senhor veio em um tempo de paz, isto é, a Pax Romana, quando cessaram as guerras civis e externas do Império Romano e o comércio floresceu. Ora, segundo a Teoria, haverá uma semelhança simbólica disso com nossos tempos, logo, estamos caminhando para algo semelhante, o que mais ou menos se vislumbra com notícias atuais de fins de conflitos, e a medida em que, como vemos, a guerra se torna mais psicológica, interna e de idéias, e as pessoas rejeitam mais o dano econômico feito pelo esquerdismo. Se isso se acentuasse, confirmaria mais ainda esta Teoria.

Aplicação da Teoria para grupos particulares

Vem desta Teoria o poder falar que grupos (no sentido de agrupação) chegam a um ponto, na eminência de sua dissolução ou de uma restauração, em que este simbolismo se aplica. Ou seja, a teoria não só pode ser confirmada ou não aos próximos tempos, mas possui a capacidade de ser aplicada a todo contexto, com as observações deste artigo.

Adendo da 3a edição: a razão consiste na metodologia do poder das trevas: quando há um grupo bom, o poder das trevas tenta pervertê-lo tornando alguns mais errados nas idéias (saduceus), e outros mais psicologicamente errados (fariseus). Quem foge disso simboliza o essênio.


No caso de grupos equivocados (falsa-direitas) ou heréticos (como seitas ou grupo "católico" nascido progressista), não há essênios, que são os corretos, mas há sempre os saduceus, os mais anti-tradicionais ou errados do grupo, e os fariseus, que não chegam a sustentar sectariamente todas as teses erradas, mas vão mais pelo lado psicológico e moral daquele grupo. No entanto, estes grupos são irrelevantes para avaliar a questão mundial da plenitude dos tempos, pois pela própria natureza amaldiçoada eles vivem em divisões, ramificações e renovando adeptos.

Mais importante é o contexto católico particular, uma vez que já mostramos a Teoria para o geral.

No caso do clero, vale o que é válido para o mundo católico. Primeiro, porque o entusiasmo por sacerdotes tradicionalistas e seu número é mínimo, assim como o era com os essênios. Segundo, porque o padre ou bispo que notoriamente é saduceu-progressista, e é um famoso cantor ou autor de livros, ele o é por se apresentar como piedoso, divulgar mensagens de "fé", consolação, ou seja, segundo a opinião pública passa como fariseu-conservador. Nenhum saduceu é famoso e querido hoje quando só tem para oferecer a sua doutrina errada. Se causa entusiasmo, causa somente fora do contexto católico, algo bem evidente quando se vê o nulo entusiasmo por um bispo saduceu-progressista fora da sua diocese, ao contrário de um conservador. Tomemos o exemplo do Papa Francisco: bem popular nas grandes mídias (a-católicas), as quais confirmam que S. S. está em oposição aos conservadores e admitem, quase sempre com manipulações, a queda geral da sua popularidade [39].
Comparação da Bênção de Natal em 2014 e 2017
Prova cabal da queda drástica de popularidade
No caso de grupos católicos verdadeiros de leigos ou clérigos, vemos também que se aplica a divisão perfeitamente, pelo que temos observado. Costumam ser dirigidos por saduceus que sustentam erros determinados, mas esses costumam atrair o povo pelo seu lado fariseu, isto é, pelo conservadorismo, enquanto seus erros são pouco propagandeados. Por outro lado, nesses grupos há fariseus, muitas vezes notoriamente críticos dos erros desses saduceus, mas que possuem aqueles defeitos que Nosso Senhor Jesus Cristo indicou. Além desses, existem os essênios, que não possuem esses defeitos e criticam os saduceus.

Em conclusão, é preciso ressaltar que um indivíduo dentro de um grupo ou um grupo não terá exatamente todas as características de uma das três divisões, podendo haver mistura, mas terá no mínimo o já comentado essencial para estar enquadrado. Assim, cremos, conforme tudo que foi exposto, estarmos encaixados em um contexto quase perfeito da Teoria.

Próximo capítulo (IV): As sete Eras cristãs simbolizadas na Escritura pelas sete falas de Nossa Senhora 

-----------------------------------------------
[1] Antiguidades dos Judeus, Flavio Josefo, Livro XVIII, 1
[2] Conforme também aos manuscritos do Mar Morto; Pesher Nahum em "The Pesher Nahum Scroll from Qumran", Shani Berrin, 2004, pg.268
[3] Como comenta o Pe. Matos Soares como motivo para o não reconhecimento do Sumo Sacerdote por S. Paulo Apóstolo, e seu pedido de desculpa pela maldição feita a esse em At 23:5 
[4] Percebeu isso Plinio Corrêa de Oliveira em 04-06-1964, Reunião Normal
[5] "Responses to 101 Questions on the Dead Sea Scrools", Joseph A Fitzmyer S.J., 1992, Pg.106
[6] Documento de Damasco, II, IV, VI. Link: http://www.bibliotecapleyades.net/bb/zadok.htm. Regra da Comunidade, VIII, 16. Link: http://www.metaphysicspirit.com/books/The%20Pesher%20Nahum%20Scroll%20from%20Qumran.pdf. Hinos de Ação de Graças, e outros
[7] Documento de Damasco. VI, VII 
[8] Guerras dos Judeus, Livro II, Cap.VIII
[9] Documento de Damasco VII, fala do membro com família
[10] Regra da Comunidade e Documento de Damasco
[11] Idem
[12] De vita contemplativa
[13] Simon Claude Mimouni, Le judaïsme ancien du vie siècle avant notre ère au iiie siècle de notre ère, Paris, PUF, 2012, Pg.840-842
[14] Qumran Clothing Suggests Scroll Authors Were Essene, Bible and archaeology news, 11/25/2011. Link: https://www.biblicalarchaeology.org/daily/biblical-artifacts/dead-sea-scrolls/qumran-clothing-suggests-scroll-authors-were-essene/. Além disso, The Archaeology of Qumran and the Dead Sea Scrolls, Jodi Magness, 2002, Pg.196, cita o documento 4QMMT, 77-78, no qual fala que não se deveria usar roupas de material misturado, "porque o linho é difícil de pôr tintura, as vestes de linho deles deviam ser brancas".
[15] Idem
[16] No livro que dá a história completa desde o profeta Elias até os dias do autor, disponível em inglês: The Ten Books on the Way of Life and Great Deeds of the Carmelites
[17] História Eclesiástica, Livro II, Cap.17
[18] Flavio Josefo, Antiguidades dos Judeus, Livro XVIII, Cap.1
[19] Quod Omnis Probus Liber Sit, XII (75)
[20] Regra da Comunidade, Col.IX, 3-5
[21] "Analizan calendario esenio de 364 días"Sábado, 3 de febrero, 2018. Link: https://www.eluniverso.com/noticias/2018/02/04/nota/6597982/analizan-calendario-esenio-364-dias
[22] La date de la cène, 1953
[23] Il Nuovo Testamento e la Cena Del Signore, Edizioni Dehoniane Bologna, 2017, Pg.42, 6.2
[24] Guerras dos Judeus, Livro II, Cap.VIII
[25] "The Pesher Nahum Scroll from Qumran", Shani L. Berrin, Pg.268, Comentando Frags. 3–4 III,8–IV,9 em Naum 3:8–12, e Pg.196 para ver mais sobre a identificação com Efraim e Manassés
[26] Flavio Josefo, Antiguidades dos Judeus, Livro XVIII, Cap.1
[27] "Historia Profetica General de la Orden de Nuestra Señora del Carmen, Tomo I, Livro III, Cap.VII
[28] Documento 4Q171, Comentário ao Salmo 37, III, 23-24
[29] 4Q169, VIII, Comentário em Naum
[30] Op.CitShani L. Berrin, comentando 1QpHab VII,1–8 na Pg.13, Pg.14 nota 46
[31] Documento de Damasco, Col.VIII, 21, Col.XVII, 14 
[32] Regra da Comunidade, Col.XI, 5
[33] Regra da Comunidade, IX, 11 
[34] Documento 4Q174, I. Link: http://www.thechristianidentityforum.net/downloads/Complete-Scrolls.pdf
[35] Documento de Damasco, Col.VIII, 21
[36] Documento 4Q175
[37] Reunião Santo do Dia, 16/7/69 
[38] 1QpHa, Col. II, Comentário em Habacuc, Documento de Damasco, I 
[39] Estas duas fotos publicadas no Gloria.tv, comparando a bênção natalina de 2014 com 2017, mostra claramente uma redução de pelo menos 35%  do público. Link: https://gloria.tv/article/7iF71meTNxLuCENB9JHHMBftC. Outras pesquisas também o admitem, embora mesmo a queda nos pareça já manipulada para mostrar menos do que é. A Ansa avaliou a situação na Itália, que caiu 8%: http://ansabrasil.com.br/brasil/noticias/vaticano/noticias/2016/01/29/Cai-popularidade-do-papa-Francisco-na-Italia_8896227.html. O instituto Gallup deixou escapar uma queda forte na popularidade do Papa nos EUA em 2015, principalmente entre os conservadores, relacionando, entre outras coisas, com declarações da época, o que põe desconfiança nesse instituto que mostrou um aumento posteriormente, pois o Papa não mudou e vem sendo mais criticado, até mesmo por um Cardeal americano. Notícia da pesquisa: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/07/aprovacao-do-papa-francisco-nos-eua-cai-antes-de-visita-em-setembro-20150722115505858144.html. Na América Latina também se admitiu, de 2013 a 2017, uma queda de 0,4 pontos na média de aprovação de 1 a 10, que ficou em 6,8. Isso também nos parece falso. Link: https://www.nacion.com/el-mundo/interes-humano/chile-da-poco-puntaje-a-la-iglesia-y-al-papa/OTKCN5TXCRG3FOT4MQ4ZYXW4NQ/story/