Se a FSSPX é uma entidade anti-modernista mesmo sem jurisdição e o que tinha em mente S. Pio X

Esse artigo faz parte do dossiê estudo sobre D. Marcel Lefebvre, que por sua vez é um excerto do livro (ainda não publicado) "O Príncipe dos Cruzados", escrito por um escravo de Maria.

Para ler os artigos completos do dossiê basta clicar neles (alguns podem não abrir por não terem sido postados ainda):
 

D. Lefebvre e seu amor pelo movimento condenado por S. Pio X, Bento XV e Pio XI. Um amor até o fim

Marcel Lefebvre e o Concílio: assinou os documentos e até falava bem dos frutos, depois negou ter apoiado e passou a criticar

D. Lefebvre era favorável à missa nova "bem celebrada" embora não preferisse, deixava seus alunos celebrarem, e havia celebrado

O Lefebvrismo ou Padre sem Jurisdição: refutando o "caso de necessidade" e a situação alegada sem cisma com São Tomás

Se a FSSPX é uma entidade anti-modernista mesmo sem jurisdição e o que tinha em mente S. Pio X

Pe. Pio vs D. Marcel Lefebvre. Excomunhão injusta é inválida ? São Tomás de Aquino responde 

                                ********************



Se a FSSPX é uma entidade anti-modernista mesmo sem jurisdição e o que tinha em mente S. Pio X.


[continuação dos artigos anteriores]





Objeção 5: As excomunhões foram revogadas, então Roma aceita a posição da FSSPX


Se refuta lembrando três detalhes do decreto no qual se baseiam esta afirmação.


a) Dom Lefebvre e Dom Mayer não são mencionados como tendo suas excomunhões levantadas ou declaradas inválidas, e nem sequer são mencionados.

No decreto do Cardeal Giovanni Re da Congregação dos Bispos, feito com aval de Bento XVI, não são sequer mencionados D.Marcel Lefebvre e D.Antônio de Castro Mayer, mas somente os quatro bispos da FSSPX.

Ora, revogar a excomunhão de dois Bispos falecidos não faria sentido, porque a revogação não teria valor temporal, visto que para eles precisariam estar vivos, e também não teria valor espiritual, porque já foram julgados por Deus.

Sobra somente a possibilidade de figurar no decreto algum pedido de desculpa ou afirmação de que a excomunhão foi inválida, mas isso não existe.

É uma fantasia da imaginação dizer que está implícito um pedido de desculpa aos dois bispos que sagraram, quando sequer são mencionados ali, nem em lugar algum pelos Papas como exemplo de vida, etc. 

b) O "levantamento" da excomunhão dos quatro bispos visava, como diz o decreto, a "realização da plena comunhão" deles com a Igreja, assim como Bento XVI se refere aos cismáticos russos

O decreto deixa claro: "Espera-se que este passo seja seguido pela solícita realização da plena comunhão com a Igreja de toda a Fraternidade São Pio X" [1]

Sabendo que também os cismáticos russos são considerados fora da "comunhão plena" pelo mesmo Papa Bento XVI, o qual até lamentou as excomunhões deles e disse que amava a igreja deles [2], o que não fez no caso dos lefebvristas, entende-se claramente como o conceito é uma palavra-talismã em prol do ecumenismo: não se fala mais de "cismático", mas de "sem plena comunhão". 

Mesmo que o Papa não tivesse dito nada sobre serem fora da plena comunhão, permanecendo uma situação de cisma, como já avaliamos, eles continuam cismáticos.

Então, qual era a intenção do "levantamento"? Um ato simbólico ecumênico onde se "desexcomunga" para dizer em seguida, nos termos ecumênicos, que continua excomungado. A intenção não se julga, mas a consequência é clara: confusão na Igreja, fama de conservador ao Papa alemão, e como o progressismo não acredita que é pecado comungar em Igreja a-católica, aplicar o princípio ao caso aumentando o sacrilégio no mundo. 

Faz eco a isso uma declaração confusa do Cardeal Muller (porque diferencia excomunhão sacramental da canônica, algo progressista):

“A excomunhão canônica dos bispos pelas ordenações ilegais foram revogadas, porém permanece a (excomunhão) sacramental, de facto, pelo cisma. Eles se distanciaram da comunhão com a Igreja. Por conseguinte, não fechamos a porta, jamais, e os convidamos à reconciliação. Porém, eles também devem mudar a sua atitude, aceitar as condições da Igreja católica, e o Sumo Pontífice como critério definitivo de adesão” [3].


c) O decreto é tão confuso que diz que o superior da FSSPX pediu para que se levantasse as excomunhões de Écone, como se ele acreditasse que eram verdadeiras. Logo, mesmo um lefebvrista tem que admitir que é confuso.

No começo do decreto se lê que o então superior dos bispos da FSSPX pediu o levantamento da excomunhão, como se o mesmo acreditasse que realmente estava excomungado. Se o pedido é verídico ou não, o certo é que na visão deles, ao invés disso, devia-se pedir o reconhecimento da excomunhão como inválida e injusta desde o princípio. 

No mínimo é engraçado ver um lefebvrista defensor da veracidade do documento explicar se também é verdadeiro que Dom Fellay acreditava na sua excomunhão, e consequentemente na dos bispos sagrantes, dado que pediu o levantamento destas todas segundo o documento.

Objeção 6: A FSSPX é a entidade anti-modernista por excelência

Vejamos o que disse o próprio São Pio X para um grupo de cardeais, o qual a entidade toma como patrono:


“Qual é, hoje, a obra que vos parece mais necessária à salvação da sociedade ? - Edificar escolas católicas, responde um deles. – Não. Multiplicar as igrejas, continua outro. – Ainda não. – Fomentar as vocações sacerdotais, diz um terceiro. – Não, não, replica São Pio X. O que, no momento presente, é mais necessário, é ter, em cada paróquia, um grupo de leigos virtuoso, esclarecido, resoluto e apostólico.” [4]. 


Consta nas páginas iniciais do livro um elogio do Papa Bento XV e uma afirmação de São Pio X que aquele era seu livro de cabeceira.

Alguns podem argumentar que o “momento” daquele tempo não é o de agora, mas Dom Chautard cita esse trecho do Santo quando quer indicar a necessidade de elites, e isto é atemporal.

E como poderiam ser anti-modernistas ou entraves espirituais ao progressismo padres que:

-Possuem sacramento da eucaristia sem fruto espiritual

-Absolvem os pecados invalidamente nos casos ordinários

-Celebram casamentos inválidos

-Estabelecem capelas sem autorização Romana por todo o mundo por vezes escondendo isso dos fiéis

-Seguem um Bispo enganador, dissimulado e admirador de um agnóstico positivista, relativista, blasfemador, e seus seguidores

-Seguem um Bispo admirador de um movimento condenado pelo próprio São Pio X

-Pretendem combater um problema da Igreja fora da Igreja

-Consideram que São Pio X está em espírito do lado deles, quando o mesmo condenou o admirado do mentor deles, e disse que o que Igreja precisava era uma associação de leigos para salvação da sociedade e não um grupo de padres

--------------------
Fontes:
[1] Link: http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cbishops/documents/rc_con_cbishops_doc_20090121_remissione-scomunica_po.html
[2] Ver nosso artigo: http://www.oprincipedoscruzados.com.br/2016/01/bento-xvi-diz-amar-igreja-cismatica.html 
[3] Entrevista de Dom Gerhard Muller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, para o Corriere della Sera, 22 de dezembro de 2013.
[4] Semanal L’Ami du Clergé, 20 de Janeiro de 1921. Citado por Dom Chautard, A Alma de todo apostolado, Ed. Artpress, 2012, parte IV, 6.